Trump mantém acordo com Irão, mas ameaça com novas sanções

| Mundo

O Presidente dos Estados Unidos decidiu manter o acordo com o Irão sobre o programa nuclear, mantendo o levantamento das sanções, mas ao mesmo tempo ameaçou Teerão com outras medidas punitivas, disseram responsáveis norte-americanos.

O acordo de não-proliferação foi assinado a 14 de julho de 2015 pelo anterior Presidente Barack Obama, e a administração de Donald Trump considerou que Teerão "cumpriu as condições" do texto, que prevê um controlo da natureza pacífica do programa nuclear, em troca de um levantamento progressivo das sanções.

Na segunda-feira à noite, responsáveis norte-americanaos, que pedidram o anonimato, disseram que a administração Trump certificou que o Irão está a cumprir o acordo nuclear, mas disse que "está a falhar no seu espírito".

Desde que este acordo internacional entrou em vigor, em 16 janeiro de 2016, entre o Irão e as grandes potências (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha), a administração norte-americana deve certificar, a cada 90 dias perante o Congresso, que Teerão está a respeitar os termos acordados.

A primeira vez que a administração Trump apresentou a "certificação" do acordo foi em abril, e a segunda na segunda-feira.

Já em abril, Donald Trump tinha afirmado que o Irão não estava a honrar "o espírito" do acordo de 2015, considerando que o acordo "é péssimo e não devia ter sido assinado".

No final de junho, os Estados Unidos instaram o Conselho de Segurança da ONU a tomar medidas contra o Irão, por considerarem que houve violação da resolução sobre o acordo nuclear com Teerão.

Desde a eleição de Donald Trump para a Casa Branca que o país tem agravado a sua posição contra o regime de Teerão e a 29 de junho na ONU voltaram-se a ouvir as acusações sobre o "papel destruidor e desestabilizador no Médio Oriente" do Irão.

O acordo, assinado há dois anos, foi o culminar de um intenso processo negocial para fechar este dossiê que há 12 anos envenenava as relações internacionais, e torna quase impossível a construção por Teerão de uma bomba atómica durante vários anos.

Em troca, as grandes potências ocidentais comprometeram-se a levantar, a partir do primeiro semestre de 2016, as sanções internacionais que há vários anos asfixiam a economia iraniana.

Tópicos:

FV PL, Unido,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.