UE preocupada e vigilante, apela à calma no país

| Mundo

A União Europeia (UE) está a acompanhar "com preocupação" a situação no Zimbabué, apelando ao diálogo e ao respeito pelos direitos dos cidadãos e à resolução pacífica da crise, disse hoje uma porta-voz da Comissão Europeia.

"A situação no Zimbabué é uma fonte de preocupação para a UE e estamos a acompanhar de muito perto o que se está a passar no terreno", disse uma porta-voz para os Negócios Estrangeiros na conferência de imprensa diária do executivo comunitário.

A UE apela "a todos os agentes relevantes que passem da confrontação ao diálogo com o objetivo de uma resolução pacífica", acrescentou a porta-voz.

Catherine Ray salientou também que, para Bruxelas, "os direitos fundamentais dos cidadãos têm que ser respeitados, bem como a ordem constitucional e a governação democrática".

O exército do Zimbabué anunciou hoje que tem sob custódia o Presidente, Robert Mugabe, e a mulher, controla os edifícios oficiais e patrulha as ruas da capital, após uma noite de agitação que incluiu a tomada da televisão estatal.

A ação dos militares gerou especulação quanto a um golpe de Estado, mas os apoiantes dos militares disseram tratar-se de uma "correção sem derramamento de sangue".

Tópicos:

Zimbabué,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.