UE preocupada e vigilante, apela à calma no país

| Mundo

A União Europeia (UE) está a acompanhar "com preocupação" a situação no Zimbabué, apelando ao diálogo e ao respeito pelos direitos dos cidadãos e à resolução pacífica da crise, disse hoje uma porta-voz da Comissão Europeia.

"A situação no Zimbabué é uma fonte de preocupação para a UE e estamos a acompanhar de muito perto o que se está a passar no terreno", disse uma porta-voz para os Negócios Estrangeiros na conferência de imprensa diária do executivo comunitário.

A UE apela "a todos os agentes relevantes que passem da confrontação ao diálogo com o objetivo de uma resolução pacífica", acrescentou a porta-voz.

Catherine Ray salientou também que, para Bruxelas, "os direitos fundamentais dos cidadãos têm que ser respeitados, bem como a ordem constitucional e a governação democrática".

O exército do Zimbabué anunciou hoje que tem sob custódia o Presidente, Robert Mugabe, e a mulher, controla os edifícios oficiais e patrulha as ruas da capital, após uma noite de agitação que incluiu a tomada da televisão estatal.

A ação dos militares gerou especulação quanto a um golpe de Estado, mas os apoiantes dos militares disseram tratar-se de uma "correção sem derramamento de sangue".

Tópicos:

Zimbabué,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.