Venezuela. Militares e civis em manobras militares com ajuda humanitária às portas do país

| Mundo

|

O Presidente da Venezuela ordenou o início de exercícios militares, que se prolongam até sexta-feira, numa base militar no estado de Miranda. Nicolás Maduro avisou que o país está preparado para se defender e anunciou que vai aprovar a compra de milhares de sistemas de lançamento de mísseis terra-ar de produção russa. Perante a fome e a falta de medicamentos no país, os médicos fizeram um protesto na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela.

Num discurso transmitido pela televisão estatal VTV, Nicolás Maduro anunciou que vai aprovar os investimentos necessários para que “milhares e milhares Igla (sistema portátil de lançamento de mísseis terra-ar de produção russa) nas mãos do povo armado para a defesa antiaérea e anti-míssil, para fazer das nossas cidades e vila lugares inexpugnáveis pelo ar”.

Rodeado de militares, numa cerimónia nos arredores de Caracas, o Presidente da Venezuela notou que os combates em terra são feitos pelos “soldados de Bolívar que fariam pagar caro ao império norte-americano qualquer ousadia de tocar o solo sagrado da pátria venezuelana”.

Nicolás Maduro acusou claramente o Presidente dos Estados Unidos de pretender intervir militarmente na Venezuela. “Que Donald Trump não nos ameace. Fora Donald Trump da Venezuela, fora as suas ameaças, aqui há força armada e aqui há povo para defender a honra, a dignidade e o decoro de uma pátria que luta há mais de 200 anos”.

As manobras militares, que foram convocadas por Maduro, contam com a participação de civis.
Guaidó apela a militares, a quem chama de "executores"
Os militares estão envolvidos no bloqueio da ajuda humanitária internacional, que continua às portas do país.

O presidente interino Juan Guaidó, a quem 50 países reconheceram a legitimidade de convocar eleições - incluindo Portugal e os Estados Unidos-, apelou novamente aos militares para que deixem entrar a ajuda enviada pelos americanos.

Juan Guaidó considera que o bloqueio à entrada da ajuda internacional constitui um crime de genocídio e apelidou os militares de “executores”.

“Entendo que queiram bloquear este elemento, o que faz deles quase genocidas. Os que estão hoje no Supremo Tribunal da Avenida Baralt dizem que declaram como inconstitucional a ajuda humanitária”.

Guaidó, que criticou a possibilidade de o tribunal “declarar como inconstitucional o direito à vida dos venezuelanos”, considera que tal “não é aplicável”.

Nicolás Maduro recusa a entrada desta ajuda defendendo que põe em causa a soberania do pais.

O Presidente venezuelano considera que a "emergência humanitária" é provocada "em Washington" para "intervir" na Venezuela e atribui a responsabilidade pela escassez de alimentos e remédios às sanções dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos têm reiterado que consideram todas as opções incluindo a militar, para derrubar o poder “chavista” da Venezuela, argumentando com a grave crise que atravessa o país.

Presidido por Guaidó, Assembleia Nacional - com maioria da oposição - não reconhece Maduro como Presidente legítimo desde janeiro, data do início do seu segundo mandato alegando que as eleições presidenciais de maio, que garantiram a reeleição de Maduro, foram ilegítimas.

À crise política na Venezuela, onde residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, soma-se uma grave crise económica e social, com escassez de bens e serviços essenciais, que levou 2,3 milhões de pessoas a fugir do país desde 2015, segundo dados da ONU.
Médicos protestam na fronteira
Perante a fome e a falta de medicamentos na Venezuela, os médicos foram protestar para junto da fronteira com a Colômbia.

“Faço um apelo ao regime e aos militares, sobretudo aos militares, pois a cada minuto que passa morre uma criança ou idoso no país. Por isso, a entrada desta ajuda tem de ser imediata e urgente. Precisamos dessa abertura e que chegue o mais depressa possível, tantos os alimentos como os medicamentos, aos nossos hospitais para podermos atender as pessoas”, explicou Omar Vergel, médico e participante na marcha.

Retida em Cúcuta, na Colômbia, a ajuda humanitária vai entrar em território venezuelano nos "próximos dias", garantiu o Presidente do Parlamento e líder da oposição, Juan Guaidó.

"A ajuda está numa espécie de centros de armazenamento e esperamos que nos próximos dias tenhamos a entrada da primeira ajuda humanitária", disse Guaidó aos jornalistas,

A 23 de janeiro, o líder da Assembleia Nacional autoproclamou-se Pesidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro, com a missão de realizar eleições presidenciais livres e transparentes.

Guaidó convocou uma nova marcha para terça-feira, Dia da Juventude, em memória das mortes de mobilizações anteriores – cerca de 40 desde 21 de janeiro, de acordo com as Nações Unidas.

Várias toneladas de alimentos e medicamentos, enviados pelos Estados Unidos, estão armazenadas desde quinta-feira em armazéns em Cúcuta, na Colômbia, perto da ponte internacional Tienditas, barrada pelos militares venezuelanos com dois contentores e um tanque.

Além de Cúcuta, a ajuda humanitária, enviada pelos Estados Unidos, deverá começar a concentrar-se em armazéns, um no Brasil e outro numa ilha das Caraíbas, ainda por determinar.

Tópicos:

Ajuda Humanitária, Juan Guaidó, Manobras, Militares, Nicolás Maduro, Venezuela,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre 1999 e 2002 nasceram três novos bairros. Passadas duas décadas, muitos residentes dizem-se abandonados.

Entrevista da correspondente da RTP em França, Rosário Salgueiro.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.