Venezuela: Nova acusação contra Procuradora-geral

| Mundo

A autoridade responsável pelo controlo dos gastos públicos do Estado venezuelano acusou hoje a Procuradora-geral, Luísa Ortega Diaz, de dificultar as medidas de fiscalização financeira do Ministério Público (MP).

"A Controladoria-Geral, no uso das atribuições constitucionais e legais, iniciou uma auditoria fiscal no Ministério Público, a 23 procuradorias superiores a nível estadual e a entidades descentralizadas ou fundações ligadas ao MP, que tem sido dificultada pela Procuradora-geral", disse o responsável pela instituição, Manuel Galindo.

Em declarações ao canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV), Manuel Galindo explicou que o comportamento da Procuradora implica uma multa, do qual será notificada, nos próximos dias, e a realização da auditoria.

O objetivo da auditoria é verificar a legalidade, exatidão, veracidade e correção de operações do MP.

Apoiante do `chavismo`, Luísa Ortega Diaz denunciou, em abril último, uma rutura constitucional e acusou o Presidente Nicolas Maduro de "terrorismo de Estado", e de pretender converter a Venezuela num "Estado policial".

A Procuradora-geral acusou ainda Maduro de querer acabar com o legado do antigo chefe de Estado Hugo Chávez (1999-2013) com a eleição de uma Assembleia Constituinte, marcada para 30 de julho, para alterar a Constituição.

Tópicos:

Controladoria, Nicolas Maduro, Procuradora,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.