Venezuela: Oposição anuncia governo de união e greve geral na quinta-feira

| Mundo

|

A oposição venezuelana anunciou a formação de um governo de transição e uma greve geral de 24 horas para quinta-feira, depois de o Governo ter garantido que vai manter a convocatória da Assembleia Constituinte.

A coligação da oposição, Mesa de Unidade Democrática, informou que vai avançar esta semana com a formação de um "governo de união", através de um "compromisso de unidade para a governabilidade", disse o vice-presidente do parlamento, Freddy Guevara, em conferência de imprensa na segunda-feira.

O deputado afirmou que este compromisso vai estabelecer entre todos os intervenientes da "unidade democrática", "um desafio" que implica a população, diferentes setores da sociedade e dirigentes políticos.

A oposição atualizou os dados relativos à consulta simbólica de domingo, em que participaram 7,5 milhões de venezuelanos, dentro e fora do país, com 98 por cento a responder "sim" às três perguntas apresentadas à população: se rejeitavam a eleição de uma Assembleia Constituinte, prevista a 30 de julho, se pediam às forças armadas para acatarem as decisões do parlamento, onde a oposição detém a maioria, e se queriam uma renovação dos poderes públicos através do voto.
Greve geral de 24 horas
Guevara anunciou também a convocação, em nome da MUD, uma greve geral de 24 horas para quinta-feira como "mecanismo de pressão e preparação para a escalada definitiva", prevista na "próxima semana", para "enfrentar a fraude constituinte e conseguir o restabelecimento da ordem constitucional".

O deputado pediu ao Governo para "ler corretamente" os resultados da consulta e garantiu que a oposição está disposta a debater soluções para a "tragédia coletiva" no país, se o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, retirar a proposta da Constituinte e restabelecer a ordem constitucional".

O Governo afirmou que a organização da consulta da oposição inventou cinco milhões de votos. Maduro reiterou, na segunda-feira, que vai manter a convocatória para a eleição de uma Assembleia Constituinte, mecanismo que vai permitir alcançar "a independência e soberania", em resposta aos apelos de vários países para que suspenda a votação.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Samuel Moncada, acusou os principais órgãos de comunicação internacionais, incluindo a BBC, Reuters, EFE, New York Times e Voz da América, "de mentir" na cobertura da consulta da oposição.

Para Moncada, aqueles meios tornaram "invisíveis milhões de pessoas que votaram" no ensaio para a escolha da Assembleia Constituinte, através da qual o Governo pretende alterar a Constituição venezuelana.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.