Vídeo mostra soldados camaroneses a executarem uma dezena de pessoas

| Mundo

A difusão de um novo vídeo, que mostra a execução de uma dezena de pessoas por alegados soldados camaroneses, reacendeu hoje a polémica sobre a atuação das forças armadas dos Camarões, frequentemente acusadas de violação dos direitos humanos.

As imagens foram mostradas hoje pela Amnistia Internacional (AI), mas já circulavam nas redes sociais.

O vídeo, com dois minutos, mostra 12 homens sem armas a serem executados a tiro contra um muro e, segundo a AI, "é verdadeiro", tendo sido realizado na localidade de Agashishigasha, no norte dos Camarões, zona na qual as Forças Armadas combatem o grupo `jihadista` Boko Haram.

Além de terem matado os 12 homens os soldados terão, alegadamente, incendiado casas.

A divulgação do vídeo ocorreu um dia depois do chefe do Governo Paul Biya ter admitido a autenticidade de outro similar que mostra a execução sumária de duas mulheres -- supostamente terroristas, com os seus filhos.

O Governo ainda não emitiu, até ao momento, qualquer reação oficial.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) considerou na sexta-feira que os ataques terroristas do Boko Haram e Estado Islâmico "causaram uma larga e devastadora perda de vida, tiveram um impacto humanitário devastador, incluindo a deslocação de um grande número de civis na Nigéria, nos Camarões e no Chade, e representam uma ameaça para a estabilidade e a paz na África Central e Ocidental".

Notou ainda "com particular preocupação o uso continuado pelo grupo radical Boko Haram de mulheres e raparigas como bombistas suicidas", o que considerou que "criou uma atmosfera de suspeição para mulheres e raparigas, tornando-as alvo de assédio e estigmatização nas comunidades afetadas e de detenções arbitrárias pelas forças de segurança".

Tópicos:

Amnistia, Nigéria, Ocidental Notou,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.