Vídeo sugere ordem de Erdogan para agredir manifestantes em Washington

| Mundo

|

À porta da residência do embaixador da Turquia em Washington, um grupo gritava palavras de ordem contra o Presidente Recep Tayyip Erdogan, que tinha acabado de se reunir em Washington com o Presidente Donald Trump, quando a guarda pessoal do líder turco se lançou contra os manifestantes, agredindo-os a socos e pontapés. Um vídeo surge agora revelando que a ordem para o ataque terá partido do próprio Presidente Erdogan. Entre as muitas críticas ao incidente, o senador republicano John McCain, herói de guerra e candidato à Presidência em 2008 contra Barack Obama, lembrou Erdogan que os Estados Unidos “não são um país do terceiro mundo”.

Recep Tayyip Erdogan acabava de se encontrar com o Presidente Trump para tentar serenar um momento conturbado nas relações entre os dois países, nomeadamente depois de a Administração ter decidido armar grupos curdos que estão a combater o Estado Islâmico na Síria.

Após o encontro na Casa Branca, Erdogan dirigiu-se para a embaixada turca, mas não estaria à espera dos manifestantes que protestaram contra a política que está a ser levada a cabo na Turquia.

O que se seguiu foi uma carga dos seus guarda-costas contra os manifestantes, deixando homens e mulheres por terra, algum cobertos de sangue. Foram muitos os vídeos que surgiram na Internet nas horas posteriores à investida da guarda turca contra os manifestantes, suscitando críticas dos mais variados quadrantes.

Na escaramuça, no que parece atentar contra a soberania dos Estados Unidos, vê-se o envolvimento de membros armados do corpo de guarda-costas turco no ataque, com agentes da polícia americana incapazes de parar a violência.

O senador John McCain, herói de guerra e candidato à Presidência em 2008 contra Barack Obama, lembrou Erdogan que os Estados Unidos “não são um país do terceiro mundo”.



McCain defendeu que os agressores deveriam ter sido identificados e detidos.

O elemento novo na controvérsia é um vídeo partilhado esta quinta-feira em que se percebe que terá sido o próprio Presidente Erdogan, dentro do carro oficial à entrada da embaixada turca, que dá a ordem para o ataque aos seus seguranças.



As instruções do Presidente turco são passadas primeiro a um dos membros da segurança, que a passa depois a um segundo elemento, desencadeando a investida de parte do corpo de segurança.

Após a investida da segurança do Presidente turco, Erdogan sai da sua viatura rodeado de guarda-costas, fica uns momentos a observar a cena e só depois entra na embaixada. Na altura apontava-se para um dezena de pessoas feridas no ataque, uma das quais em estado grave.
Aliviar a tensão

Após ser recebido no início da semana por Donald Trump na Casa Branca, Recep Tayyip Erdogan mostrou-se otimista quanto ao futuro das relações entre Ancara e Washington. Os dois líderes prometeram trabalhar juntos no combate ao terrorismo, tendo Erdogan traçado uma linha vermelha: as milícias curdas do YPG não são aceitáveis.

Donald Trump acabaria por evitar declarações oficiais em relação tanto no que respeita ao YPG como Fethullah Gulen, o clérigo exilados nos Estados Unidos que Erdogan responsabiliza pela tentativa de golpe na Turquia no ano passado.

Os dois países assumem estar unidos no combate ao Estado Islâmico, mas a Turquia não esconde o descontentamento face ao apoio de Trump às milícias curdas do YPG, envolvidas no terreno contra os islamitas radicais.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.