Vila na Suécia obriga pedintes a ter licença para mendigar

| Mundo

Caso a licença seja aprovada pelo Conselho Administrativo, entrará em vigor a 1 de outubro, com o custo de 150 coroas (15 euros)
|

O Conselho Municipal de Eskilstuna, na Suécia, adotou esta quinta-feira um decreto que obriga os mendigos a requererem licença para pedir nas ruas. O objetivo será identificar as populações carentes e quem possa utilizar pedintes para proveito próprio, noticiou a rádio pública sueca.

Segundo o documento aprovado pelos social-democratas, conservadores, centristas e extrema-direita, pode ler-se que “passa a ser obrigatório, em certas zonas geográficas, uma autorização das autoridades policiais para mendigar”. O decreto não obteve a aprovação dos Ecologistas, do Partido de Esquerda, dos Liberais nem dos Democratas-Cristãos.

Caso a licença seja aprovada pelo Conselho Administrativo, entrará em vigor a 1 de outubro, com o custo de 150 coroas (15 euros), e sob pena de multa.

“A ideia não é impedir que as pessoas mendiguem, mas permitir que as associações e serviços sociais entrem em contato com essas pessoas e, se possível, ajudá-las a voltar para o seu país”, defendeu Jimmy Jansson, presidente do município.

O primeiro-ministro social-democrata, Stefan Löfven, considerou a iniciativa “interessante”. No entanto, rejeita a proposta dos partidos conservador e de extrema-direita de proibir a mendicidade a nível nacional.

Eskilstuna é uma cidade de 69 mil habitantes a 100 quilómetros da capital sueca, Estocolmo. À semelhança de muitas cidades do país, tem uma quantidade considerável de mendigos, pelo que esta não é uma questão que surja isoladamente. Já se tentou proibir a mendicidade no país, uma medida que não teve sucesso.

Tópicos:

, Eskilstuna, Decreto, Mendigos, Suécia, Vila,

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.