Alexandre Brito

O dia em que Steve Jobs mudou o telefone... e muito mais

Faz por agora dez anos que Steve Jobs subiu ao palco para mostrar o primeiro iPhone. É impressionante como, dez anos depois, percebemos que esse momento mudou muito mais do que simplesmente a forma como falamos.

Recordo-me de ler em tempos uma entrevista ao responsável máximo da Nokia, quando já não dominava o mercado de telemóveis, em que dizia algo como isto: "Nós estávamos a fazer tudo bem. Acontece que outros fizeram melhor".

Steve Jobs parece que olhou para o futuro e, há dez anos, concretizou aquilo que é agora o nosso presente. Fez melhor. Criou um telemóvel que era muito mais do que uma simples máquina para fazer chamadas. Um verdadeiro computador, ligado à internet, com as mais variadas aplicações criadas por pessoas em todo o mundo.
 
Acredito que o líder da Apple tinha clara noção da revolução que estava a provocar. O iPhone, e todos os telemóveis do género que se seguiram, mudaram e estão ainda a mudar a forma como falamos uns com os outros, como partilhamos momentos da vida, como acedemos a notícias, vemos televisão, olhamos para o tempo e para o trânsito, chamamos um táxi, ou um Uber, reservamos uma casa do outro lado do mundo e tantas, tantas outras coisas.

O iPhone criou toda uma indústria à sua volta. Milhões de empregos foram inventados. E outros tantos destruídos por causa desta mesma tecnologia. A par da Internet, o iPhone é um momento de viragem na história do mundo. Para o bem e para o mal.

Hoje, a Apple vai apresentar novos telemóveis. Novos iPhones. Não espero nada de especial. Não espero nenhum momento Steve Jobs. Como este, há dez anos.


A informação mais vista

+ Em Foco

Na edição deste sábado do 360, na RTP3, o jornalista António Louçã, autor da grande reportagem "Alemanha: o reverso da medalha", resumiu o contexto económico e social no chamado motor da Europa, em véspera de ida às urnas.

A Alemanha vai a votos com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

    Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

      Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.