Alexandre Brito

O negócio das armas

O massacre em Las Vegas revela uma vez mais um país disfuncional, que não consegue proteger os cidadãos no próprio território. O mesmo país que anuncia uma guerra global contra o terrorismo, fora de portas, mas que não quer combater essa ameaça dentro de casa. A cultura das armas está muito enraizada na América. Está até consagrada na Constituição - Segunda Emenda aprovada em 1791-, por razões históricas relacionadas com a luta pela independência. Mas nos dias de hoje há apenas uma razão pela qual nenhum presidente norte-americano conseguiu enfrentar este problema: dinheiro.

É um negócio que movimenta milhões. E esse milhões alimentam lobbies que por sua vez controlam a política norte-americana de forma a impedir que sejam aprovadas leis para apertar o cerco ao uso e porte de armas.


Barack Obama ainda tentou fazer qualquer coisa. Aprovou legislação para impedir que pessoas com problemas mentais graves pudessem ter acesso a armas. Uma medida que foi em fevereiro deste ano anulada por Donald Trump.

Não é fácil perceber esta relação dos norte-americanos com as armas. Até admito, num país com aquela dimensão, que o porte de armas possa fazer sentido em zonas remotas do território. Será uma medida de segurança perante a eventual ausência das autoridades. Mas permitir que pessoas com problemas mentais tenham acesso a armas só pode ter um fim: 59 mortos em Las Vegas.

It´s all about the money, diz a música. É é mesmo. Para se ter uma ideia da dimensão deste negócio é preciso olhar para os números. São muito claros. Num artigo publicado online, a CNN diz que os norte-americanos têm cerca de metade (48 por cento) de todas as armas na posse de civis em todo o mundo. São 310 milhões de um total de 650 milhões.

Os americanos são também o país com o maior número de armas per capita. São 89 em cada 100. Logo a seguir fica o Iémen, depois a Suíça (curioso, digo eu), Finlândia, Sérvia, Chipre, Arábia Saudita, Iraque, Uruguai e Suécia.

É fácil perceber a dimensão do negócio. Uma vez mais, aqui, as mortes são colaterais.

It´s all about the money. 

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.