O futuro do leão

O principal problema do Sporting não é o presente, é o futuro. O presente é o que é e não vai melhorar de forma substancial no imediato, mas o futuro próximo está em aberto e precisa de definições claras e rápidas para que o clube não entre numa espiral descendente que possa colocar em causa a estabilidade leonina por muitos anos, como aconteceu ao Benfica no pós-Vale e Azevedo.

Parece claro que Bruno de Carvalho não tem condições para se manter como presidente do Sporting. Seria no mínimo bizarro que depois de ter aberto guerra contra os jogadores, o treinador, os adeptos e alguns dos elementos da direcção, para além de todos os que foram identificados como "inimigos externos", que o actual líder leonino se mantivesse no lugar. Não será fácil apagar todos os insultos e ataques que fez nos últimos dias, colocando em causa a liberdade de expressão e o direito à indignação dos jogadores, sócios e adeptos. Alguns deles, apoiantes desde o primeiro momento que sempre o defenderam mesmo nas suas diatribes mais insólitas e inconsequentes, pedem com insistência ao presidente para se afastar do lugar porque entendem que já não tem condições para representá-los tendo em conta que se colocou num patamar inatingível de falta de lucidez. Esse é de resto o principal problema do líder dos leões, a ideia peregrina de que está ungido com um direito divino que impede que seja criticado. Aquilo que afinal sempre fez a tudo e todos, antes de chegar à presidência e depois de ocupar o lugar.

A actual situação é culpa do próprio Bruno de Carvalho. Legitimado e reforçado pelos resultados eleitorais, e da última Assembleia-geral, nada faria prever que o presidente do Sporting criasse este vendaval sem precedentes no futebol profissional do clube, colocando em causa toda uma época futebolística que ainda não terminou e onde a principal equipa mantém vários objectivos em aberto, apesar de dois deles serem de difícil, mas não impossível, concretização: o campeonato e a Liga Europa. A Taça de Portugal também não será fácil de conquistar. Para chegar à final é necessário ultrapassar o Futebol Clube do Porto que está com sede de títulos e que tem uma equipa forte, unida e bem liderada, e uma estrutura estabilizada.

O Sporting precisa de um líder e não de um caudilho. De alguém que pense primeiro nos interesses e objectivos do clube e só depois nas suas ambições pessoais. De alguém que saiba formar uma equipa forte de gestão, que saiba delegar poderes e definir metas e objectivos para cada um dos elementos da direcção. De uma pessoa com um projecto, uma ideia de futuro e uma noção clara da importância de representar um clube com os pergaminhos dos leões. Que seja respeitado e que obrigue a que se respeite o clube, sem recorrer ao insulto, à difamação ou à intriga. De alguém que saiba definir prioridades imediatas e estabelecer metas de médio e longo prazo, assentes numa estrutura estável, profissional e competente, sem ansiedades estéreis.

A informação mais vista

+ Em Foco

Várias organizações de defesa dos Direitos Humanos exigem uma investigação rigorosa.

A morte do advogado foi conhecida há dois anos, no Natal, mas existem vários indícios de que a possa ter simulado.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.