António Esteves

Um imenso lodaçal

Quando olhamos para o imenso lamaçal que atolou durante tantos anos algumas áreas da governação, da política partidária, dos negócios, das empresas, do desporto e da justiça em Portugal, percebemos melhor porque há tantas pessoas sérias e competentes que andaram muitos anos a marcar passo, condicionadas nas suas oportunidades profissionais.

Os lóbis assumiram-se como perigosos grupos de interesses, com aparência séria e aveludada no trato mas com métodos mafiosos, que tudo condicionavam na sombra, afastando todos os que pudessem ser um problema para a estratégia de controlo e poder, promovendo pessoas incompetentes e sem qualidades, alcandoradas a talentos mais pela sua exposição mediática do que pelos seus atributos.

A sociedade portuguesa tem muitas teias urdidas durante muitos anos e as pessoas que as teceram estão dispostas a quase tudo, sempre na sombra, para manterem os estatutos alcançados, para garantirem que os lóbis continuam activos. São pessoas que não desistem de estratégias e maquinações que lhes garantam a manutenção deste estado de coisas, muitas vezes com o alto patrocínio de pessoas com muito poder. Quando uma parte do esquema é exposto avançam outros peões menos conhecidos, mas sempre com o mesmo objectivo: dominar e controlar. Aos poucos, vão sendo conhecidos muitos desses esquemas e a sociedade portuguesa começa a acordar, sempre muito surpreendida, para tudo o que foi acontecendo. Na verdade, todos sabiam mas não queriam acreditar.

Não faz sentido que se tome o todo pela parte poder, e não é possível concluir que governantes, gestores, empresários, gestores, dirigentes desportivos e agentes judiciais são todos farinha do mesmo saco, mas também não podemos ser ingénuos e acreditar que havendo oportunidade estes esquemas não vão continuar a repetir-se, muitas vezes com os mesmos protagonistas, alguns reabilitados pela justiça ou por desaparecimentos de cena estratégicos.

Enquanto alguns continuarem a tentar expor todos aqueles de quem não gostam, tentando proteger "os seus" - há agora uma especialidade muito em voga que é escrever artigos cirúrgicos enlameando algumas pessoas e esquecendo outras que tomaram atitudes condenáveis idênticas - não há solução para um país refém de tanto lodo e porcaria.

Parece que começam a soprar novos ventos, assim existam condições para que evoluam. Basta que aqueles que sempre remaram contra a maré não desistam, e não se intimidem com estes gangsters de bolso. Não é fácil, mas é o mais correcto.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.