Daniela Santiago

Moby-Dick catalã ou mais uma história de obsessão

Que estranhos tempos estes, em que a razão e a ambição se confrontam sem olhar a meios ou a vítimas que a batalha vai largando pelo caminho.

Herman Melville descreveu-a divinamente no romance que todos conhecemos. Moby-Dick é muito mais do que uma aventura atrás de um cachalote enfurecido. A Baleia, como também ficou conhecida esta obra revolucionária de 1851, descreve-nos o fracasso de uma expedição liderada por raiva e ambição desmedidas.

A atualidade política na Catalunha transporta-me para as águas geladas e sedentas de vingança de Moby-Dick. Vejo um capitão, não é Ahab, a coxear pela falta da perna que o cachalote lhe roubou, mas está tão obcecado, quer tanto atingir o Governo e a Justiça de Espanha, que não consegue espantar “os demónios” que o atormentam, não se apercebe que toda a tripulação o segue e se precipita para um destino que só ele parece controlar.

Sinto o ambiente do Pequod, o navio que acaba destruído no fim do romance. É bem mais pequeno que a região mais rica de Espanha, a Catalunha, mas também aqui há alegria, motivação, esperança… novas amizades, partilha. Tudo muda… chega a instabilidade, o medo, surgem divisões e discussões, enquanto a ambição do comandante aumenta, cega, incontrolável.

Vejo tripulação a abandonar o navio. Artur Mas demite-se da presidência do Partido Democrata Catalão. Carles Mundó, antigo conselheiro da Justiça deixa a política. Neus Lloveras abandona a Presidência da Associação de Municípios pela Independência. Carme Forcadell anuncia que não se recandidata à presidência do Parlamento Catalão. São muitos. A maioria está ferida, já está sob medidas de coação, ainda vai ter de responder, em processos judiciais, pelos crimes de sedição, rebelião, peculato. Saltaram tarde para as águas revoltas e encontraram Moby-Dick. Quatro estão detidos. Pedem ao juiz para responder ao que antes recusaram. Voltam atrás, esclarecem que nunca quiseram avançar tanto, de forma unilateral, mas a água já os engoliu. Há outros quatro que não podem pisar o país onde nasceram. Basta senti-lo debaixo dos pés e serão engolidos pela maré.

Ao longe, sinto um capitão ambicioso. Não sei se luta contra “os seus fantasmas”, mas vejo-o com uma única obsessão.

Aqui, o narrador não foi Ismael, o único sobrevivente d´A Baleia. “Trate-me por Daniela”, e esta é apenas uma opinião.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.