João Fernando Ramos

A responsabilidade

Continuamos a debater a responsabilidade pelas mortes nos fogos de Pedrógão, mesmo quando a lei é clara e obriga as gestoras das vias a limpar, por muitos pareceres à medida que encomendem e plantem na comunicação social, mesmo quando já se percebeu e assumiu que os meios de socorro estavam mal organizados e responderam mal, mesmo quando o Estado já assumiu que vai pagar pela sua falha, o que é apenas um pequeno consolo para coisas que não têm preço.

Falta o debate olhar para a reflorestação, para o corte da madeira queimada e a plantação de árvores que nos garantam mais segurança, para a prometida reorganização e profissionalização das forças que nos deverão proteger melhor numa próxima, o investimento em novas indústrias que criem empregos e novas vidas.

Confesso que me irrita a conversa apenas à volta do dinheiro, das indemnizações, do IVA que era e depois não era. Foi uma tragédia terrível que tem as feridas ainda tão abertas para se andar todos os dias nesta conversa de euros e mais euros. Será que alguém me sabe dizer quando vale mesmo uma vida? Será que a perda de tantas almas não nos deve manter mobilizados para se resolver de vez o problema base de um país que não consegue ter um sistema seguro de proteção civil?

Na tragédia vamos percebendo a teia de interesses, as vontades de protagonismo, os momentos para as televisões. Estamos todos obrigados a muito mais que isto.

No recato, lá esquecido no interior de sempre, há um país para reconstruir, há tantas vidas à espera de sentido, há tanto para se começar mesmo a fazer. Nesta parte, a silenciosa, que está mesmo a trabalhar, há também tantos belos exemplos para seguir. É preciso fazer mesmo baixar a fumo desta superficialidade e continuar a fazer todos os dias mais pelo interior. Há quem esteja já a fazer por isso sem se chorar todos os dias pelo... dinheiro.

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.