João Fernando Ramos

De olhos na floresta

Aproveitei a Páscoa para vaguear com a família pela Serra da Lousã, percebendo claramente que já se fez muito trabalho para defender a floresta da ameaça dos fogos. Há mais zonas limpas, as linhas corta fogo estão tratadas, a estrada da serra parcialmente limpa e são visíveis equipas de sapadores a trabalhar numa boa parte daquelas matas. Ninguém pode garantir que o próximo verão não seja cheio de fogos, mas ninguém poderá perdoar que não se continue a dar passos sérios para reforçar substancialmente a prevenção, devolvendo vida às zonas do interior e investindo na economia destas regiões.

O inverno passou e o tema dos fogos esteve sempre presente. Mais que o debate político, aguardamos todos para ver como vão funcionar as muitas mudanças que nos têm anunciado.

Nesta passagem pela Lousã fica evidente uma maior atenção das populações e dos sapadores florestais. A ideia da limpeza está a ser bem mais que o simples ato de desmatar as envolventes de habitações e de vias de comunicação. Para muitos estes tempos têm significado um regresso à terra com uma preocupação real com a segurança das aldeias e das muitas casas isoladas em belos pedaços da nossa paisagem.

É verdade que esta operação tem um custo, muitas vezes demasiados custos, para quem tinha as terras e os pinhais abandonados há dezenas de anos, mas teremos todos que perceber que com as profundas mudanças no clima e a crescente desertificação do interior, só teremos futuro se esta atenção pela floresta e pelo interior não for apenas mais uma moda passageira.

Este é um país com tantos tiques irritantes de centralismo que rapidamente têm matado qualquer ideia que signifique abdicar de qualquer poder, mesmo que seja para colocar tudo a funcionar muito melhor. Forçosamente as coisas deverão agora ser diferentes, mas como diz o povo: nunca fiando.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.