João Fernando Ramos

Não perder um momento histórico

Esta é a hora do interior, que está no centro do discurso político, na atenção da centralizada comunicação social, na preocupação de todos, mesmo daqueles que vivem longe das zonas destruídas pelos fogos e agora severamente afetadas pela seca.

É uma oportunidade única para se reorganizar e se rentabilizar a floresta, para se investir na modernização e otimização da industria que foi também dizimada nos incêndios, para se promover um maior bem-estar às pessoas de forma a cativar mais braços e olhares para uma boa parte deste nosso pequeno país.

Os empresários têm mostrado uma forte capacidade para fazer renascer investimentos de uma vida. O Turismo procura mais oportunidades, mas precisa urgentemente de uma mudança na paisagem.

Falta a reflorestação e o começo da mudança, retirando a madeira queimada ainda com valor comercial, e fazendo intervenções que motivem uma efetiva onda de mudança.

A desertificação do interior, que tem agora na seca mais um fator importante, tem que ser invertida, com a criação de incentivos que sejam mais que simples ajudas monetárias. No olhar para o desenvolvimento temos que abrir efetivamente horizontes e ver muito mais que Lisboa e Porto.

Há um imenso Portugal, cheio de potencial, que não tem nesta tragédia um momento histórico de renascimento pujante e verdadeiramente interessante a todos os níveis. Mais que um abraço, é preciso manter a ação clara e concreta e aproveitar uma das mais belas partes deste jardim, que vai muito para além do mar.

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.