Paulo Dentinho

O refugiado

Navegou, ou assim se supõe, durante vários meses. Não sabia muito bem onde estava, nem estaria mal nem bem - aliás, sobre isso ele nada consegue dizer. O certo certo é ter chegado num dia qualquer, num ano qualquer. Estava esgotado e mal conseguia articular um som que fosse. Alguém lhe bateu e ele berrou.

Os dias, meses e anos seguintes não foram fáceis. Teve de se adaptar a uma realidade que lhe era absolutamente desconhecida.


Apreendeu a língua e os costumes. Foi-se integrando o melhor que pode. Nem sempre foi fácil. Enfrentou a desconfiança e a rejeição de uns, a animosidade de outros. Sentiu sempre estar a viver um tempo emprestado num lugar emprestado.

Ocasionalmente, sentiu a solidariedade sob diversas formas, a mão amiga que não fica indiferente ao outro. Sim, ele sempre foi outro num mundo de outros. Todos diferentes, todos estruturalmente idênticos também, porque todos humanos. 

E foi num dia assim, cheio de humanismo, de amor pelo próximo, que também ele decidiu ser pai e trazer um outro refugiado para a vida. Porque somos todos refugiados num tempo do Tempo, seja por uma sempre desconhecida razão filosófica, por um sortilégio da natureza ou por uma qualquer graça de um Deus qualquer. 

E seja onde for onde estejamos, deveríamos ser sempre livres e iguais em dignidade e direitos.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.