Paulo Dentinho

O refugiado

Navegou, ou assim se supõe, durante vários meses. Não sabia muito bem onde estava, nem estaria mal nem bem - aliás, sobre isso ele nada consegue dizer. O certo certo é ter chegado num dia qualquer, num ano qualquer. Estava esgotado e mal conseguia articular um som que fosse. Alguém lhe bateu e ele berrou.

Os dias, meses e anos seguintes não foram fáceis. Teve de se adaptar a uma realidade que lhe era absolutamente desconhecida.


Apreendeu a língua e os costumes. Foi-se integrando o melhor que pode. Nem sempre foi fácil. Enfrentou a desconfiança e a rejeição de uns, a animosidade de outros. Sentiu sempre estar a viver um tempo emprestado num lugar emprestado.

Ocasionalmente, sentiu a solidariedade sob diversas formas, a mão amiga que não fica indiferente ao outro. Sim, ele sempre foi outro num mundo de outros. Todos diferentes, todos estruturalmente idênticos também, porque todos humanos. 

E foi num dia assim, cheio de humanismo, de amor pelo próximo, que também ele decidiu ser pai e trazer um outro refugiado para a vida. Porque somos todos refugiados num tempo do Tempo, seja por uma sempre desconhecida razão filosófica, por um sortilégio da natureza ou por uma qualquer graça de um Deus qualquer. 

E seja onde for onde estejamos, deveríamos ser sempre livres e iguais em dignidade e direitos.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.