Ricardo Alexandre

O `No Future` dos Conservadores britânicos

O `No Future` dos Conservadores britânicos

O age-gap das recentes eleições britânicas foi publicado pelo YouGov. Assim se vê como o eleitorado mais velho ainda vota mais, e vota essencialmente nos Conservadores. Assim se vê, igualmente, como estes fazem jus à canção dos Sex Pistols: "No Future".

A distribuição etária do voto britânico das eleições gerais do passado dia 8 revela que só a partir dos 44 anos é que as pessoas votam mais no Partido Conservador do que no Partido Trabalhista. Estamos sim a falar de uma sociedade envelhecida e é certo que as dinâmicas eleitorais, e muito menos as intenções de voto, são imutáveis. Mas é revelador de uma tendência claríssima de voto jovem nos Trabalhistas que adoptaram uma agenda claramente de esquerda.

Theresa insiste no Brexit duro. O tempo passa. Já é junho, senhora May. A imprensa conservadora, Daily Telegraph incluído, ajudam a PM a abrir os olhos e a optar por caminhos negociais que não retirem o Reino Unido do Mercado Único europeu. Mas ela quer parecer dama-de-ferro.

Macron abriu-lhe a porta para que pense bem no assunto Brexit. Aliás, a porta europeia vai ficar aberta para que os britânicos possam repensar. Entretanto, Jeremy Corbyn prepara o grupo parlamentar para novas eleições no país.

Foi recebido com uma ovação de 45 segundos por aqueles que tanto o criticavam na Câmara dos Comuns. Nada como um resultado acima das expetativas.

Entretanto, o líder Trabalhista anunciou 35 mil novas entradas no partido desde a semana passada e promete fazer campanha em 60 círculos eleitorais ganhos pelos Conservadores. Chamaram-lhe radical; hoje talvez o Partido Socialista Francês suspire por um Corbyn, idem aspas para o PSOE.

Costa foi mais esperto. Percebeu a tempo. Ao fazer pontes à esquerda, evitou a derrocada que atinge outros partidos socialistas europeus. A Terceira Via morreu. Giddens já não mora aqui.

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.