Ciclista Tiago Machado aposta em Veloso como vencedor da Volta a Portugal

| Outras Modalidades

O ciclista português Tiago Machado (Katusha Alpecin) apontou hoje o espanhol Gustavo Veloso como o provável vencedor da 79.ª Volta a Portugal e rejeitou, em declarações à agência Lusa, as comparações entre a W52-FC Porto e a Sky.

"Vai ser o Gustavo. Se não o eliminaram quando ele teve dias menos bons, não vai ser agora, porque se nota que, de dia para dia, ele está melhor. Não vai ser fácil conseguir ganhar-lhe vantagem. Ele está muito perto. 30 segundos é facilmente recuperável num contrarrelógio de 22 quilómetros", analisou o português que, há poucas semanas, deu nas vistas na Volta a França.

Tiago Machado, que visitou a caravana em Oliveira de Azeméis, ponto final da oitava etapa, aproveitando o facto de estar de viagem com a família, considera que a equipa portista tem a equipa bastante controlada.

"Basta ver que tem quatro homens nos dez primeiros e ainda tem o Ricardo ali à porta, o que dá para jogar com as fugas. Tem a situação perfeitamente controlada. Só se acontecer um grande volte face é que conseguem destronar a W52-FC Porto", defendeu, rejeitando, no entanto, que os `dragões` sejam a versão portuguesa da dominante Sky: "Não tirando valor à W52-FC Porto, porque todos têm valor, quem diz isso não tem noção do valor da Sky".

O corredor da Katusha Alpecin, de 31 anos, confessou à Lusa que é duro estar a viver a Volta a Portugal, a corrida da qual foi um dos grandes animadores antes de mudar-se do Boavista para a RadioShack, desde fora.

"Custa sempre, comecei a ser ciclista para participar na Volta a Portugal. Nunca imaginei que iria fazer uma carreira como tenho feito até ao momento e, quando chega agosto, bate sempre aquela saudadezinha. Não sei o dia de amanhã, mas quem sabe se volto cá... se fizer mais uma Volta seria uma despedida em grande, só não prometo que consiga ganhar etapas", brincou.

Tópicos:

Katusha Alpecin,

Pesquise por: Katusha Alpecin,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.