Natação portuguesa despede-se dos Jogos do Mediterrâneo com quatro medalhas

| Outras Modalidades

A natação portuguesa despediu-se hoje dos Jogos do Mediterrâneo, sendo responsável por quatro das 10 medalhas que Portugal conquistou até aqui e com "bons indicadores" para os Europeus que se disputam em Glasgow em agosto.

"Não havia um termo de comparação (nesta competição porque Portugal está a estrear-se), mas o nível competitivo foi muito elevado e a resposta dos nadadores foi muito boa. Todas as medalhas foram alcançadas com finalistas habituais", disse à agência Lusa o chefe de equipa da natação José Machado.

O responsável salientou que as marcas alcançadas nestes jogos "permitem aspirar a um conjunto de finais nos campeonatos da Europa": "Ficámos muito motivados. Esta foi uma oportunidade única tão perto dos campeonatos de nos pormos à prova."

A natação portuguesa conquistou quatro medalhas nos Jogos do Mediterrâneo, que tiveram início na quinta-feira e terminam a 01 de julho.

No segundo dia de competição, Alexis Santos arrecadou o bronze nos 200 metros estilos e no domingo foi a vez de João Vital também subir ao terceiro posto do pódio nos 400 metros estilos.

Hoje, Ana Monteiro conquistou a medalha de prata nos 200 metros mariposa e Diana Durães o bronze nos 400 metros livres (com tempo 4.09,49 minutos).

Em declarações aos jornalistas após a entrega de medalhas, a nadadora que recentemente deixou o FC Porto para assinar pelo Benfica disse que "não pode pedir mais", uma vez que ficou em terceiro lugar atrás de uma campeã olímpica e de uma campeã do mundo", referindo-se à italiana Simona Quadarella (medalha de ouro com 4.05,68 minutos) e à espanhola Mireia Belmonte (prata com 4.05,87).

Diana Durães - que hoje também bateu o recorde de estafetas ao lado das nadadoras Rita Frischknecht e Raquel Pereira, fazendo a marca 4.13,74, quando a anterior era 4.13,82 - disse que o próximo grande objetivo é alcançar as finais, "e quem sabe as medalhas", no Europeu e depois a qualificação para os Jogos Olímpicos.

Já Ana Catarina Monteiro fez um balanço "muito positivo", contou que "conseguiu controlar a prova" e considerou que "chegar ao segundo lugar, atrás da campeã olímpica, é excelente".

Ana Monteiro fez o tempo de 2.08,06 minutos - batendo a anterior marca nacional que era 2.08,76 -, atrás da espanhola Mirela Belmonte (2.07,80) e à frente da italiana Alessia Polieri (2.08,46).

Esta é a primeira medalha a nível internacional da atleta que representa o Fluvial Vila-condense e começou a nadar aos três e a competir aos sete. Agora com 24, sente que "tem 14 ou 15" e aponta como objetivo "tentar o mais rápido possível" atingir tempos de acesso para Tóquio2020.

Convidada a fazer um balanço da prestação portuguesa nos Jogos do Mediterrâneo, Ana Catarina Monteiro acompanhou o otimismo do diretor técnico nacional de natação.

"Balanço positivo. A natação está com um nível muito competitivo. Portugal está muito forte. A Itália e a Espanha vieram com equipas muito fortes. A França também é forte. Portanto Portugal estar a conseguir pódios é muito positivo e bom indicador para o campeonato da Europa", disse.

Além das medalhas nesta modalidade, Portugal arrecadou dois ouros - Melanie Santos e João Pereira no triatlo - um bronze no tiro com João Costa e outro na canoagem por Teresa Portela (K1 200), bem como duas pratas para Joana Vasconcelos e Fernando Pimenta (K1 500).

Portugal está representado nos Jogos do Mediterrâneo por 232 atletas em 29 modalidades.


A informação mais vista

+ Em Foco

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Segundo um relatório da Amnistia Internacional, o número de mulheres vítimas de violência doméstica em Portugal continua elevado.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.