"A nossa dor neste momento não tem medida"

| País

"A nossa dor neste momento não tem medida, como não tem medida a nossa solidariedade, a solidariedade de todos nós para com os familiares das vítimas da tragédia de Pedrógão Grande"
|

O Presidente da República falou ao início da noite ao país. Marcelo Rebelo de Sousa apelou à união nesta "hora de dor, mas também de combate". Marcelo Rebelo de Sousa disse ainda que o incêndio no distrito de Leiria que matou pelo menos 62 pessoas é "uma tragédia quase sem precedente na história do Portugal democrático", e provoca uma dor sem medida.

"A nossa dor neste momento não tem medida, como não tem medida a nossa solidariedade, a solidariedade de todos nós para com os familiares das vítimas da tragédia de Pedrógão Grande", disse o Presidente da República numa comunicação ao país, a partir da Sala das Bicas do Palácio de Belém, em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "uma só morte em tais circunstâncias é sempre uma tragédia" para logo acrescentar que "tantas dezenas de mortos representam uma tragédia quase sem precedente na história do Portugal democrático".

O Presidente da República expressou "gratidão" e "incondicional apoio" a todos os que estão envolvidos no combate ao incêndio e no apoio às populações atingidas, "bombeiros, Proteção Civil, INEM [Instituto Nacional de Emergência Médica], Guarda Nacional Republicana, Polícia Judiciária, Forças Armadas, autarquias locais, estruturas de saúde e sociais, povo anónimo".

"Com eles estarei nos próximos dias, a partir já de amanhã [segunda-feira]", disse.

Guardem as interrogações para depois

Nesta comunicação ao país, o Presidente da República pediu aos portugueses que guardem no imediato as interrogações que os angustiam sobre o incêndio no distrito de Leiria. "Nesta hora, há também interrogações e sentimentos que não podem deixar de nos angustiar, a começar por um sentimento de crescida injustiça, porque a tragédia atingiu aqueles portugueses de quem menos se fala, de um país rural, isolado, com populações dispersas, mais idosas, mais difíceis de contactar, de proteger e de salvar".

"Guardemos, contudo, no imediato, este e outros sentimentos que legitimamente nos sobressaltam, inconformistas que somos, no mais fundo do nosso coração", pediu.

"Sem os esquecermos, concentremos agora a nossa vontade no essencial: prosseguir o combate em curso, manter e alargar de forma ativa e consequente a nossa solidariedade a todos quantos sofreram e ainda sofrem a tragédia, demonstrando que nos instantes mais difíceis da nossa vida como nação, somos como um só, por Portugal", afirmou o Presidente da República.

C/ Lusa

Tópicos:

Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.