"A Terra Treme" assinala Dia Internacional da Redução das Catástrofes

| País

A Proteção Civil pretende que todos adiram à iniciativa e executem os três gestos de salvação: “Baixar, Proteger e Aguardar”.
|

“A Terra Treme” esta sexta-feira, devido a uma simulação que assinala o Dia Internacional da Redução das Catástrofes. O exercício nacional acontece em várias regiões e é promovido pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), que pretende alertar para o risco sísmico e medidas de comportamento dos cidadãos.

A quinta edição do exercício decorre às 10h13 e tem a duração de um minuto. A ANPC pretende que todos adiram à iniciativa e executem os três gestos de salvação: “Baixar, Proteger e Aguardar”.

Portugal é um território com zonas propensas a risco de sismo. Por isso, a ANPC deixa a questão – “estamos preparados para enfrentar uma situação deste tipo e recuperar dela rapidamente?”.

Individualmente ou em grupo, em casa ou no trabalho, qualquer pessoa pode participar na simulação. Pode inscrever-se na iniciativa, consoante a região do país.

A organização incita à participação dos mais jovens por estarem mais dispostos a conhecerem esta realidade. Na página do exercício, existe uma secção para os juniores, em que é explicado no que consiste o simulacro e o que é um tremor de terra.
O que é o sismo?
“É um tremor que acontece quando grandes pedaços rochosos na superfície da terra são abruptamente deslocados. Podem acontecer devido a falhas na crosta terrestre e a sua intensidade e magnitude pode variar muito”, explica a Proteção Civil.

A duração de um sismo não é sempre a mesma, mas raramente ultrapassa um minuto. Após o sismo podem existir réplicas, normalmente mais fracas. O sismo não pode ser prevenido. O que pode ser alvo de prevenção é o conhecimento das pessoas, para saberem como agir em caso de necessidade.
Como agir?
Os três passos essenciais para a Porteção Civil são baixar sobre os joelhos, o que permite mover-se mas não cair (baixar), proteger a cabeça e os ombros com os braços e as mãos e abrigar-se. Se possível, deve colocar-se debaixo de uma mesa (proteger). Por último, deve aguardar até que a terra pare de tremer (aguardar).

No caso de situações de sismo, as pessoas devem saber como atuar “Antes, Durante e Depois”, conforme indica a página oficial da organização.

Antes de um sismo, há necessidade de conhecer o que são os sismos e porque é que ocorrem, bem como prevenir e elaborar um plano de emergência.

Durante, é importante ter em conta o local em que se encontra - dentro de um edifício, na rua ou a conduzir. Por exemplo, no caso de estar dentro do carro, deve parar a “viatura longe de edifícios, muros, taludes, postes e cabos de alta tensão” e permanecer dentro dela.

Depois, deverá aguardar até que o tremor de terra termine.

Para clarificar, a ANPC elabora sete passos que deve seguir:
1º. Passo: Identifique e corrija os riscos em casa
2º. Passo: Organize um plano familiar de emergência
3º. Passo: Elabore um kit de emergência
4º. Passo: Identifique e corrija os pontos fracos do seu edifício
5º. Passo: Execute os três gestos que protegem: baixar, proteger e aguardar
6º. Passo: Cuide de si e depois ajude os outros
7º. Passo: Esteja atento às indicações das autoridades

Portugal é um país de elevado risco sísmico, devido à proximidade de falhas, principalmente aquela que separa a Europa de África, a sudoeste de Sagres, no Algarve.

Os últimos sismos sentidos em Portugal ocorreram a 17 de agosto, com epicentro a cerca de quatro quilómetros a Este-Nordeste de Sobral de Monte Agraço, com 4.3 de magnitude na escala de Richter e a 4 de setembro, com magnitude 3.2 e epicentro a 20 quilómetros de Peniche.

Tópicos:

Portugal, Proteção Civil, Sismo, Terra Treme,

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.