Professores em greve até sexta-feira

| País

|

A greve dos professores registou esta terça-feira de manhã uma adesão entre 60 e 70 por cento, de acordo com os dados divulgados pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof). Os docentes protestam até sexta-feira e exigem que sejam contabilizados os mais de nove anos em que as carreiras estiveram congeladas. O Executivo propõe descongelar apenas dois anos e dez meses de serviço.

"Esta é uma grande resposta dos professores no primeiro de quatro dias de greve", declarou o secretário-geral da Fenprof esta terça-feira, em conferência de imprensa.

"Se o Governo não ouviu os professores na negociação vai ouvir na rua", disse Mário Nogueira, no primeiro balanço desta greve que vai decorrer até à próxima sexta-feira.

Na segunda-feira, os sindicatos dos professores e o Ministério da Educação não chegaram a acordo em relação à contagem do tempo de descongelamento das carreiras.

O Governo tutela admite descongelar dois anos e dez meses de tempo de serviço aos docentes, enquanto estes não desistem de ver contabilizados os nove anos e quatro meses, daí que tenham mantido a greve prevista.
"Ambiente de recreio"

Em declarações à agência Lusa, o presidente da associação de diretores escolares explicou que não há escolas fechadas mas que “há muitos professores a fazer greve e escolas a funcionar a meio gás”. “Os alunos estão nas escolas mas não têm todas as aulas”, explicou Filinto Lima.

O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas afirma mesmo que “o ambiente que se vive nas escolas é mais de recreio e menos de sala de aula”. Filinto Lima pede aos ministérios da Educação e das Finanças para olhar com atenção para esta greve e sublinha que “só este ano letivo já se realizaram mais greves do que desde que o Governo tomou posse”.


"A maioria das famílias não sente os efeitos da greve porque os seus filhos estão na escola, embora não tenham todas as aulas. Hoje, o ambiente que se vive nas escolas é mais de recreio e menos de sala de aula. Todos os minutos são de intervalo", acrescentou Filinto Lima, sublinhando que os professores estão mobilizados para fazer valer a sua posição em relação ao processo de descongelamento do tempo de serviço.

"O Ministério das Finanças deve abrir os cordões à bolsa e tratar a Educação de forma diferente", defende o dirigente.
Greves até sexta-feira
A iniciativa de luta que arrancou esta terça-feira foi convocada pelas duas principais federações de professores, a Fenprof e a FNE. Os docentes protestam por causa da contagem de tempo de serviço.

Os professores exigem que sejam contabilizados os mais de nove anos em que as carreiras estiveram congeladas. O Executivo propõe descongelar apenas dois anos e dez meses de serviço.

Esta terça-feira, a paralisação realiza-se nos distritos de Lisboa, Santarém e Setúbal, e também na Região Autónoma da Madeira. Na quarta-feira, a greve chega à região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro) antes de rumar aos distritos do centro do país na quinta-feira (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco).

A greve termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Tópicos:

Alunos, Carreiras, Descongelamento, Escolas, FNE, Fenprof, Greve, Professores, Salários,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.