António Costa compreende professores mas não evita greve

| País
António Costa compreende professores mas não evita greve

Foto: Lusa

O primeiro-ministro António Costa prometeu apoiar parcialmente as reivindicações dos professores mas não conseguiu travar a greve geral e uma concentração em frente ao parlamento convocada para esta quarta-feira pelos docentes.

Escolas fechadas, alunos sem aulas e professores na rua é o cenário traçado por sindicatos e diretores escolares para o dia de hoje em que os docentes contestam algumas medidas do próximo Orçamento do Estado (OE).

A proposta de OE2018 prevê que não seja contabilizado o trabalho realizado entre 31 de agosto de 2005 e 31 de dezembro de 2007, nem entre janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2018 mas isso não satisfaz os professores.

A reposição total dos anos de congelamento das carreiras custaria 650 milhões de euros, números avançados pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, que à saída da reunião da comissão política dos socialistas admitiu perceber a reivindicação dos professores mas que ainda assim será difícil repor na totalidade e no imediato os anos de congelamento dos docentes, como registou a jornalista Susana Barros.

António Costa no final da reunião da comissão política do PS, sessão de trabalho em que também esteve presente o sindicalista da UGT José Abraão. Para este dirigente se o problema é dinheiro então que haja negociações.



Ainda antes das declarações do primeiro-ministro os sindicatos dos professores já tinham anunciado que iam manter a greve marcada para esta quarta-feira.

Mário Nogueira, da FENPROF, apelou à participação dos professores para que seja uma greve histórica.

O sindicalista não fecha a porta à negociação, mas diz que o Governo não se deixou convencer à mesa das reuniões e por isso terá de ser convencido através da greve.



Depois da FENPROF foi a vez da FNE. João Dias da Silva, da Federação Nacional de Educação, diz que também não concorda com a não contagem de cerca de 10 anos de carreira dos professores e vai dizer isso mesmo na concentração frente ao parlamento.




Os docentes representam 1/6 dos trabalhadores da Função Pública e 1/7 da massa salarial e, segundo o Governo, a contagem desse tempo de serviço iria pôr em causa a sustentabilidade dos próximos OE, uma vez que tal teria um custo total de cerca de 600 milhões de euros.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Kim e Donald passaram do insulto à vontade mútua de fazer história. Bem-vindos à era das ilusões.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.