Atentados em Paris e Dortmund dão origem a mais cuidados para o dérbi

| País

|

O porta-voz da PSP disse esta sexta-feira que a segurança no dérbi de Lisboa já está a ser preparada há meses. Pedro Pinho, Subintendente da Polícia de Segurança Pública, explicou que não foi mudado o nível de segurança para o jogo que vai opor Sporting e Benfica mas garante maiores cuidados depois dos atentados em Paris e Dortmund, contra o autocarro do Borussia.

De acordo com a lei a partida entre Sporting e Benfica é de risco, com o estádio José Alvalade a apresentar lotação esgotada. Serão perto de 50 mil pessoas no estádio, 2500 delas serão do Benfica. O Subintendente da PSP explicou que a manutenção da segurança para o jogo está a ser preparada há meses.


“Não temos alterado o nível de segurança em Portugal. De qualquer modo, nestes grandes eventos desportivos, há sempre cuidados acrescidos e pedimos às pessoas que cheguem mais cedo. Temos em atenção não só os atentados de Paris. Todas as outras ações perpetradas são alvo da nossa análise”, disse Pedro Pinho.

A PSP requereu aos adeptos o uso dos transportes públicos e pediu o menor número possível de veículos junto ao Estádio. O clima de crispação que se vive entre os grandes do futebol português também foi tido em conta pela PSP, no que toca à segurança do jogo de amanhã.

Apesar do nível de risco, Pedro Pinho dá o exemplo do jogo entre Benfica e FC Porto que, disse, acabou sem incidentes. A partida entre Sporting e Benfica será jogada este sábado, naquele que é considerado o dérbi dos dérbis, a partir das 20h30.

A informação mais vista

+ Em Foco

É impossível passar ao lado de um marco temporal como o dos 100 dias, alvo de tantas avaliações e balanços por parte da imprensa.

    Em entrevista à Antena 1, o Presidente da República diz que o crescimento da economia é o que mais o preocupa agora.

    A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.