Bombeiros concentram-se a alguns metros de onde caiu avião Canadair

| País

Uma dezena de veículos dos bombeiros concentraram-se hoje junto de um posto de combustível, na localidade de Picha, em Pedrógão Grande, a alguns metros de onde alegadamente caiu esta tarde o avião Canadair de combate ao fogo.

O avião terá caído entre as localidades de Picha e Louriceira, numa encosta onde as chamas lavram com grande intensidade como é visível pelo fumo negro, constatou a Lusa no local.

Segundo moradores da zona, vários aviões descarregaram cargas de água na zona para tentar chegar ao local onde caiu o avião Canadair de combate aos incêndios, que operava no fogo de Pedrógão Grande.

Junto ao posto de combustível encontram-se bombeiros da Amadora, Cascais, Belas, Póvoa de Santa Iria, Dafundo, Campo de Ourique, que integram uma equipa de bombeiros da região de Lisboa que chegou hoje ao concelho de Pedrógão Grande para ajudar no combate às chamas.

No local, elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) ordenaram a saída dos jornalistas.

"As ordens que tenho são para retirar a comunicação social e não os moradores", disse a GNR no terreno.

Um avião Canadair de combate aos incêncios, que operava no fogo de Pedrógão Grande, caiu hoje à tarde, disse à agência Lusa fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

A mesma fonte informou que se encontra a caminho do local um helicóptero do INEM.

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) indicou à Lusa que foi informado da queda da aeronave na zona de Pedrógão Grande, durante esta tarde, acrescentado que uma equipa deste organismo vai deslocar-se para o local para, em conjunto com a Proteção Civil, proceder às operações.

O avião despenhou-se na zona de Ouzenda, Pedrógão Grande, e não é nenhum dos dois Canadair contratados por Portugal, segundo a fonte da ANPC.

 

Tópicos:

Canadair Pedrógão, Ouzenda Pedrógão, Picha Pedrógão, Proteção, Republicana,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.