Cadáver encontrado em Monção é de homem dado como desaparecido

| País

A GNR confirmou que o cadáver encontrado hoje no rio Gadanha, em Monção, é do homem de 44 anos que foi dado como desaparecido na sexta-feira, tendo sido possível "concluir que não há indícios de crime".

Em declarações à Lusa, fonte do Comando Territorial de Viana do Castelo da GNR afirmou que o corpo foi retirado da água às 14:00 pelos Bombeiros Voluntários de Monção, sendo depois transportado para o Instituto de Medicina Legal de Viana, para autópsia.

"Uma análise visual ao corpo permitiu concluir que não há indícios de crime", disse a mesma fonte, referindo ser desconhecido o que poderá ter acontecido.

Um corpo foi hoje descoberto a seis metros de profundidade no rio Gadanha, tendo a GNR admitido então tratar-se de um homem dado como desaparecido na sexta-feira, até pela proximidade do local onde foi encontrado em relação à sua residência.

O corpo foi encontrado às 12:13, na sequência de uma operação de buscas pelo desaparecido, desencadeada na União de Freguesias de Tropoliz e Lapela, concelho de Monção (distrito de Viana do Castelo).

O alerta do desaparecimento do homem, que vivia sozinho, foi dado pelo seu irmão, que estranhou a sua ausência, referiu a mesma fonte.

De acordo com a página na internet da Proteção Civil, no local estiveram 11 operacionais, apoiados por quatro viaturas.

Tópicos:

Freguesias Tropoliz, Gadanha, Proteção, Voluntários,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um "cemitério de dinossauros" descoberto na Argentina, com 220 milhões de anos apresenta fósseis de uma dúzia de animais.

    Um dia que ficará para a história. O dia em que um dos monumentos mais emblemáticos do Mundo foi apanhado pelo fogo.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.