Centenas de bombeiros combatem chamas em Alijó e Mangualde

| País

|

Os fogos de Mangualde e Alijó continuam a mobilizar mais de 800 bombeiros às primeiras horas desta segunda-feira. Apesar de a situação em Alijó estar agora “francamente melhor”, as chamas ainda não estão dominadas. Em Mangualde, dois dos três incêndios estão em fase de resolução. Os fogos deste fim de semana mostram ainda que, um mês depois de Pedrógão Grande, o sistema SIRESP continua a falhar.

O incêndio de Alijó começou na madrugada de domingo na localidade de Vila Chã. O fogo continua mas os habitantes que tinham sido retirados das aldeias por precaução já puderam regressar a casa.

Uma habitação e vários armazéns agrícolas foram destruídos pelas chamas. Segundo a página da Proteção Civil, o incêndio é combatido por 420 operacionais, apoiados por 132 viaturas e seis meios aéreos.

A Proteção Civil informou durante a manhã que, apesar de as chamas não estarem dominadas e o fogo continuar com quatro frentes ativas, a situação está “francamente melhor”.


O comandante operacional no terreno Pedro Nunes deu conta de que "não já nenhuma povoação em perigo" e que o itinerário IC5, que esteve cortado no domingo, já reabriu ao trânsito de forma condicionada.

Pedro Nunes afirmou que o combate a este fogo "tem sido um pouco difícil porque a orografia é complicada, a secura dos combustíveis é complicada", trata-se de "um incêndio com uma intensidade bastante elevada que muitas vezes está acima da capacidade de extinção dos meios de combate".

As chamas e o fumo estão a condicionar apenas, em termos de circulação na zona, "algumas estradas locais e alguns caminhos penetrantes para o fogo cortados".

Relativamente aos prejuízos causados pelo incêndio, o comandante operacional disse que é uma avaliação que ainda não está feita e as "situações estão monitorizadas e avaliadas pelo serviço municipal de Proteção Civil".

No domingo, o presidente da Câmara Municipal de Alijó denunciou falhas no sistema SIRESP durante o incêndio que afeta aquele município. A Proteção Civil confirmou os problemas, mas assegurou que as comunicações não estiveram em causa.
"Houve durante a tarde algumas falhas pontuais na rede SIRESP para as quais já mobilizámos para este teatro de operações uma estação móvel que estava preventivamente posicionada no Porto", explicou a Autoridade Nacional de Proteção Civil no domingo.

"As comunicações nunca estiveram em causa no teatro de operações porque foram sendo utilizadas outras redes, redes complementares à rede SIRESP, designadamente a rede operacional dos bombeiros", justificou Patrícia Gaspar.
Fogo ativo em Mangualde
Em Mangualde continua por dominar um dos três incêndios que deflagraram na tarde de domingo. O fogos de Abrunhosa do Mato e Abrunhosa-a-Velha já estão controlados, mas no terreno mantém-se um forte dispositivo.

O fogo de Póvoa de Cervães continua por dominar, mobilizando atualmente 208 operacionais, apoiados por 62 viaturas e quatro meios aéreos.

A informação mais vista

+ Em Foco

No centro do país, pelo menos 30 mil hectares arderam nos últimos dias. As imagens da NASA permitem ver a evolução dos fogos que afetaram a região centro do país.

    Hotéis de luxo e restaurantes de autor crescem ao lado de quem vive sem água ou luz. A Comporta tem um novo proprietário que quer transformar aquela zona num local para estrangeiros ricos.

    O Parque das Nações vai receber as duas semifinais e a final nos dias 8, 10 e 12 de maio do próximo ano. Já o festival português vai decorrer em Guimarães.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.