Cerca de 80 habitantes de aldeias evacuadas acolhidos na Misericórdia

| País

Cerca de 80 habitantes de aldeias de Pedrógão Grande evacuadas devido às chamas foram acolhidos nas instalações da Santa Casa da Misericórdia, onde estão a ser alimentados.

"A missão principal da Santa Casa da Misericórdia é acudir aos necessitados e com esta catástrofe que aconteceu, infelizmente no nosso concelho, quisemos dizer presente", afirmou à agência Lusa o diretor, João Marques.

Segundo o responsável, apesar dos 83 utentes do lar e dos 32 utentes da Unidade de Cuidados Continuados, foi possível receber os habitantes das aldeias, a maioria idosos.

"Recebemos pessoas de aldeias que foram retiradas desde o final do dia de ontem (domingo). Tivemos que improvisar", contou.

A Unidade de Cuidados Continuados foi adaptada sobretudo "para aqueles que têm maior dependência", acrescentou.

"Penso que estamos a conseguir dar resposta a estas necessidades, mesmo também ao nível das refeições", afirmou.

João Marques disse que, no domingo à noite, "todos tiveram uma refeição quente" e que hoje de manhã foi dado um saco com fruta e sandes.

"Agora vão almoçar uma refeição quente e depois vão levar um saco com fruta, água e leite para casa", acrescentou, agradecendo às empresas e aos particulares que ofereceram alimentos à Misericórdia.

Muitos dos habitantes das aldeias tiveram de abandonar as casas à pressa, sem poderem ir buscar os medicamentos que têm de tomar diariamente.

"Além de termos identificado as pessoas, tivemos três enfermeiros a perguntar que tipo de medicamentos tomam e que doenças têm, para podermos dar resposta àquelas que não tiveram tempo de trazer os medicamentos para cá", explicou.

À hora de almoço, o responsável não tinha ainda indicação das autoridades de que os idosos poderiam regressar a casa.

"Quem trouxe as pessoas para aqui foram os bombeiros e a GNR e, até agora, não temos ordem para as deixar sair, mas também não as podemos impedir. Estamos a aguardar que a GNR e os bombeiros decidam", referiu.

O fogo, que deflagrou na tarde de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 62 mortos civis e 62 feridos, dois deles em estado grave. Entre os operacionais, registam-se dez feridos, quatro em estado grave. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, até terça-feira.

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Misericórdia Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.