Coimbra vai gastar 3,4 milhões de euros em transportes escolares

por Lusa

Coimbra, 24 jun 2019 (Lusa) - O município de Coimbra aprovou hoje uma despesa de 3,4 milhões de euros em transportes escolares para o próximo ano letivo, para quando está prevista a gratuitidade do serviço para crianças do pré-escolar ao ensino secundário.

Segundo o vereador Jorge Alves, responsável pelo pelouro da Educação, o plano prevê abranger 8.409 alunos, com domicílio fiscal no concelho de Coimbra, desde a paragem mais próxima do seu local de residência até ao estabelecimento de ensino que frequenta.

A proposta do executivo municipal foi hoje aprovada por maioria, na sessão de câmara quinzenal, com a abstenção dos dois vereadores do movimento Somos Coimbra, que o desenvolvimento de um estudo piloto aplicado a uma ou algumas escolas do 1.º ciclo e ou pré-escolar, com oferta de transportes escolares porta a porta.

O movimento Somos Coimbra defendeu ainda que deve ser revisto o transporte das crianças "vítimas do fim dos contratos de associação e que, não dispondo de escolas nas imediações da sua habitação, têm de se deslocar para escolas de outras freguesias ou concelhos, vendo-se frequentemente obrigadas a percorrer quilómetros a pé, pela beira da estrada, sem condições mínimas de segurança".

O plano municipal de Coimbra abrange os alunos dos estabelecimentos de ensino do pré-escolar, básico e secundário da rede pública concelhia e ainda os alunos dos estabelecimentos de ensino pré-escolar da rede solidária concelhia, com acordo de cooperação com a Segurança Social.

Está também prevista a gratuitidade do serviço aos alunos com dificuldades de locomoção que beneficiem de medidas ao abrigo da educação inclusiva, independentemente da distância da sua residência aos estabelecimentos de ensino que frequentam.

Todos estes alunos poderão utilizar as carreiras públicas de transportes coletivos que sirvam os locais dos seus estabelecimentos de ensino e residências ou, no caso de serem alunos do 1.º ciclo de escolas suspensas nos últimos quatro anos, podem utilizar os circuitos específicos criados para o efeito.

Trata-se de "um conjunto de medidas que visa atenuar desigualdades sociais, promover a igualdade no acesso à educação, a autonomia do aluno, combater o abandono e insucesso escolar e fomentar a utilização dos transportes públicos", sublinhou o vereador Jorge Alves.

A apresentação de candidaturas decorre de 01 de julho a 16 de agosto.

O município anunciou ainda um investimento de 3,4 milhões de euros em apoio social escolar para suportar encargos com refeições, cadernos de exercícios, material escolar de desgaste, atividades de complemento curricular, material didático e equipamento técnico e pedagógico para poio de comunicação de voz.

Tópicos