Comissão Técnica Independente com mandato para investigar fogos de outubro

| País

A Assembleia da República aprovou hoje, só com a abstenção do PAN, uma resolução para que a Comissão Técnica Independente (CTI) constituída para o fogo de junho em Pedrógão Grande também investigue os incêndios de outubro.

Este projeto foi aprovado na generalidade, na especialidade e final global em votação em plenário e prevê que a CTI comece o estudo em janeiro, disse à Lusa fonte parlamentar.

A CTI terá a mesma composição da anterior, com 11 elementos, e será também presidida pelo professor universitário João Guerreiro.

O texto foi consensualizado entre todos os grupos parlamentares, disse na semana passada o porta-voz da conferência de líderes, o social-democrata Duarte Pacheco, exceção feita ao PAN.

O mandato da CTI terá a duração de um mês e a proposta partiu do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

Na semana passada, Ferro Rodrigues informou a conferência de líderes de que o professor João Guerreiro aceitou presidir novamente à CTI, agora para estudar os incêndios de 15 de outubro, que atingiram 27 concelhos da região Centro, vitimando mortalmente 45 pessoas e provocando cerca de 70 feridos.

Os incêndios destruíram total ou parcialmente cerca de 800 habitações permanentes, quase 500 empresas e extensas áreas de floresta nos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu.

Tópicos:

Ferro, Incêndios, Técnica,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    As sondagens para as presidenciais brasileiras colocam em segundo lugar um deputado federal defensor da ditadura que governou o país durante 20 anos e que é acusado de homofobia.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.