Condições naturais de exceção justificam fogo de Monchique

| País
Condições naturais de exceção justificam fogo de Monchique

A dimensão do incêndio de Monchique deve-se às condições meteorológicas excecionais. É o que diz o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Questionado na última noite na estação de televisão TVI sobre se houve um falhanço na estratégia de combate ao incêndio, o ministro da Administração Interna respondeu com as condições excecionais que se viveram na serra algarvia.

Eduardo Cabrita prometeu para depois do fim do incêndio, uma avaliação conjunta dos prejuízos com os municípios afetados, em articulação com vários ministérios.

O ministro da Administração Interna falou ainda do trabalho do comandante distrital da proteção civil de Faro, Eduardo Cabrita saiu em defesa de Vítor Vaz Pinto.



Eduardo Cabrita referiu ainda que a passagem das operações para o comando nacional da Proteção Civil se deveu à dimensão e duração do incêndio.

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.