Congresso quer debater reinserção e futuro de vítimas queimadas

| País

O XI Congresso Nacional de Queimados, que se realiza no fim de semana, assinala o incêndio ocorrido há um ano em Pedrógão Grande mas quer debater a reinserção e futuro das vítimas queimadas, anunciou a organização.

"O nosso congresso é mais virado para o futuro do que para o passado, queremos olhar para a reinserção social das vítimas e para o tratamento e acompanhamento delas", disse à agência Lusa o cirurgião Celso Cruzeiro, presidente da Associação Amigos dos Queimados (AAQ), promotora do evento.

Adiantou que a escolha do local do congresso - intitulado "Renascer, Um Ano Depois" - num hotel da localidade de Pedrógão Pequeno, com vista para a zona de Pedrógão Grande, e a data - o fim de semana de 16 e 17 de junho - deriva "obviamente da passagem de um ano sobre o grande incêndio que assolou a região e a vontade de fazer uma homenagem às vítimas".

O médico especialista em cirurgia plástica e reconstrutiva sublinhou o "trabalho enorme" que espera uma vítima queimada após sair do hospital: "Quando sai, está desamparado, tem de lidar com a família e amigos, que também não estão preparados, porque um doente queimado é um doente crónico, é um doente para toda a vida", enfatizou Celso Cruzeiro.

Para além da questão física de um paciente que sofreu queimaduras, o cirurgião frisa que a parte psicológica "fica definitivamente afetada" e deve obrigar a um acompanhamento da vítima.

"Os cirurgiões ficam contentes com o trabalho que fazem e que é motivo de orgulho, mas, muitas vezes, quando saem dos hospitais, é a partir daí que começa o problema. Muitas pessoas caem no deserto e precisam de muito apoio e é isso que queremos alertar com este congresso. E é precisamente esse o lema, renascer", argumentou Celso Cruzeiro.

No sábado, primeiro dia do congresso, o programa inclui, às 10:30, a conferência "Algumas Lições dos Incêndios de 2017", por Xavier Viegas, diretor do Laboratório de Estudos sobre Incêndios Florestais e, uma hora depois, a mesa redonda "Prevenção das Queimaduras", moderada por Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública.

Da parte da tarde, o programa inclui, entre outras iniciativas, a História do Tratamento de Queimados em Portugal, pelo próprio Celso Cruzeiro, e uma conferência intitulada "Para Além do Curar. A Intervenção Reparadora do Direito", pelo ex-presidente do Tribunal Constitucional Joaquim Sousa Ribeiro, que fez parte do Conselho nomeado pelo Governo para estabelecer os critérios indemnizatórios aos familiares das vítimas mortais e feridos graves.

No domingo, a XI edição do Congresso Nacional de Queimados - iniciativa bienal que se realiza desde 1997 e que se constitui como uma "ponto de encontro de todos os profissionais e doentes ligados à temática" - promove um debate alargado, a partir das 10:00, com a presença de diversas personalidades, incluindo o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, os ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, e Adjunto, Pedro Siza Vieira, os bastonários da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, e Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, e o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Soares, entre outros.

Tópicos:

Adto Siza, Cita, Enfermeiros Rita, Incêndios Florestais, Lições Incêndios, Pedrógão, Tratamento,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.