Depois do Félix, a Gisele. Mau tempo a caminho dos Açores

| País

|

São esperados ventos fortes e agitação marítima para os Açores a partir de terça-feira, avança o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Tudo por causa da passagem da depressão Gisele a norte do arquipélago.

De acordo com o IPMA, o vento vai soprar com rajadas até 110 quilómetros por hora nos grupos ocidental (Flores e Corvo) e central (Terceira, São Jorge, Pico, Graciosa e Faial) e até 100 quilómetros por hora nas ilhas do grupo oriental (São Miguel e Santa Maria).

"Também na terça-feira se prevê um aumento da agitação marítima com ondas entre sete a oito metros e altura significativa no grupo ocidental e central, e seis a sete metros nas ilhas do grupo oriental", disse à Lusa o meteorologista Carlos Ramalho. Por causa da depressão Gisele, o IPMA emitiu um aviso laranja de vento e agitação marítima para os grupos ocidental e central, e aviso amarelo nas ilhas do grupo oriental. Avisos "válidos para terça-feira e até às primeiras horas de quarta-feira", de acordo com Carlos Ramalho.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera diz ainda que são esperados períodos de chuva em todas as nove ilhas.
Alerta da Proteção Civil
Por causa do mau tempo espeado, o serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) emitiu um alerta a recomendar que sejam tomadas medidas de autoproteção, como a consolidação de telhados, portas e janelas ou ainda o reforço das amarrações das embarcações ou mudança dos barcos para local seguro.

A Proteção Civil dos Açores pede ainda que sejam guardados os objetos soltos de jardim, alertando que mesmo os leves podem ser projetados pelo vento forte e causar grandes prejuízos materiais e até acidentes pessoais graves.

Aos automobilistas é recomendado especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas e são desaconselhadas atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos ou passeios à beira mar.

C/ Lusa

Tópicos:

Félix, mau tempo, Gisele,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.