Distritos de Braga, Coimbra, Leiria, Guarda e Viseu com várias estradas cortadas

| País

Os incêndios que lavram em Braga, Coimbra, Leiria, Guarda e Viseu mantêm o corte total de várias estradas nacionais e municipais nestes distritos, segundo um balanço feito às 23:00 de hoje pela GNR à agência Lusa.

No distrito de Braga, a Estrada Nacional 309 está cortada na freguesia de Espinho, enquanto a Estrada Municipal 585 mantém-se fechada à circulação na freguesia de Longos, em Guimarães.

Em Coimbra, a Estrada Nacional 17 está totalmente cortada na zona de Póvoa das Quartas.

No distrito da Guarda mantêm-se cortadas a Estrada Nacional 231, em Paranhos da Beira, no concelho de Seia, a Estrada Nacional 239, na Aldeia da Serra, na freguesia do Sabugueiro, também no concelho de Seia, e a Estrada Nacional 17, em Seia.

Além destas vias, estão ainda interditas à circulação no distrito da Guarda a Estrada Municipal 546, na freguesia de Santana da Azinha, e a Estrada Nacional 226 na zona de Castaíde, concelho de Trancoso.

No distrito de Leiria está totalmente cortada a Estrada do Atlântico na freguesia de Pataias, concelho de Alcobaça, e em São Pedro de Moel, concelho da Marinha Grande.

Já no distrito de Viseu estão cortadas a Estrada Nacional 223, em Carregal do Sal e em Santa Comba Dão, e a Estrada Municipal 628 na zona de Fráguas, concelho de Tondela.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram, segundo o balanço das 19:30, pelo menos 36 mortos, sete desaparecidos e 62 feridos, dos quais 15 graves, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

Além da morte de um ferido grave no distrito de Viseu, que elevou para 36 o número de óbitos, registaram-se mortos em Vouzela (seis), Carregal do Sal (um), Nelas (um), Oliveira de Frades (um), Santa Comba Dão (cinco), Tondela (três) e na Autoestrada 25 (um).

No distrito de Coimbra estão contabilizados mortos em Penacova (dois), Oliveira do Hospital (cinco), Arganil (quatro) e Tábua (três). No distrito da Guarda morreram duas pessoas e no de Castelo Branco registou-se uma morte.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Tópicos:

Aldeia, Autoestrada, Carregal, Comba Dão, Frades, Longos, Paranhos, Pedrógão, Penacova, Póvoa, Sal, Santana, Seia Estrada, Tábua, Vouzela,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.