Exército arquiva queixas contra instrutor dos Comandos

| País
Exército arquiva queixas contra instrutor dos Comandos

A ver: Exército arquiva queixas contra instrutor dos Comandos

O único dos três arguidos do Caso Comandos punido pelo Exército com 10 dias de proibição de saída do quartel já terminou a pena. O Sexta às 9 descobriu, no entanto, que o sargento Ricardo Rodrigues é alvo de queixas por agressões pelo menos desde 2014.

Uma delas foi dirigida ao Exército pelo Hospital das Forças Armadas na sequência da admissão de 10 instruendos feridos, um deles com o nariz partido e o tímpano perfurado.

Esse instruendo identificou o sargento Rodrigues como autor das agressões, mas o caso nunca chegou a ser reportado à Polícia Judiciária Militar, como era obrigação do Exército.

Pelo contrário, a queixa foi arquivada por fraca componente probatoria. Este arquivamento está assinado pelo comandante do Regimento dos Comandos, coronel Dores Moreira.

O sargento Rodrigues continuou assim a ser instrutor do curso dos Comandos ate ao fatídico curso 127.

O Ministério Público, que até junho irá deduzir acusação contra 20 arguidos, não tem dúvidas que o sargento Rodrigues colocou terra na boca do recruta Hugo Abreu quando ele já estava próximo da morte.

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.