Fogo de Alijó reduzido de quatro para duas frentes ativas

| País

As frentes do incêndio de Alijó, no distrito de Vila Real, foram reduzidas de quatro para duas, ao final da manhã de hoje, com a situação a "correr favoravelmente", informou o comandante operacional no terreno.

Pedro Nunes deu conta, por volta das 12:00, de que o incêndio, que começou na madrugada de domingo, tem duas frentes ativas, em Agrelos e Carlão.

O dispositivo no terreno mantém-se desde o início da manhã, com quatro aviões pesados e dois helicópteros ligeiros, estando previsto o reforço dos meios aéreos com o Canadair espanhol.

No terreno encontram-se cerca de 450 operacionais apoiados por cerca de 140 veículos e oito máquinas de rasto e pelotões do exército.

O fumo que envolvia zona pela manhã começou a dissipar-se.

Relativamente aos prejuízos causados pelo incêndio, o comandante operacional disse hoje, de manhã, que é uma avaliação que ainda não está feita e as "situações estão monitorizadas e avaliadas pelo serviço municipal de Proteção Civil".

Ao longo da manhã, a Lusa ouviu várias pessoas que afirmaram terem perdido tudo nas propriedades agrícolas, desde vinha a castanheiro, pinheiros, numa zona que vive da agricultura.

Tópicos:

Agrelos, Proteção,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.