Fogo destrui seis mil hectares em Cantanhede sem danos pessoais

| País

O incêndio florestal que eclodiu domingo na Figueira da Foz e se estendeu a Cantanhede, no distrito de Coimbra, queimou seis mil hectares de floresta, mas não provocou danos pessoais, disse a presidente da Câmara.

"Não termos tido vidas em perigo foi o nosso grande conforto. Temi muito pior, mas felizmente não aconteceu nenhuma desgraça", disse hoje à agência Lusa Helena Teodósio, presidente da Câmara de Cantanhede.

A autarca, que no domingo esteve várias horas na praia da Tocha, povoação que ficou isolada pelas chamas, assinalou ainda a preocupação com o parque de campismo local (que foi evacuado) e uma urbanização adjacente com casas revestidas a madeira, salvos por ação de bombeiros, populares e dos serviços camarários.

Outra preocupação centrou-se na zona industrial da Tocha, "onde os bombeiros não conseguiram chegar", concretamente devido a um depósito de gás de grandes dimensões ali existente, que acabou por não ser atingido pelo incêndio.

No entanto, na mesma zona industrial, a Sanindusa, empresa de artigos sanitários, foi destruída pelas chamas, mas a autarca garante que vai ser reconstruída e que os 140 postos de trabalho "estão salvaguardados".

"Já estão a fazer limpezas para reconstruir a fábrica que é uma das indústrias de referência do concelho, muito dedicada à exportação. Vão investir entre 20 a 25 milhões de euros", indicou a autarca.

O levantamento financeiro de prejuízos provocados pelo incêndio de Cantanhede ainda decorre, nomeadamente os sofridos por particulares, que estão a ser acompanhados pelos serviços de três juntas de freguesia (Tocha, São Caetano e Corticeiro) e os prejuízos restantes estão a cargo de uma equipa camarária que está a utilizar "o mesmo método utilizado nos incêndios de Pedrógão Grande", nas áreas empresarial, agrícola e florestal e bens e equipamentos públicos e particulares.

No entanto, para além da destruição da empresa de artigos sanitários, Helena Teodósio avançou que foram atingidas pelas chamas três ordenhas/vacarias localizadas na Tocha, uma oficina de pintura de automóveis na localidade de Caniceira, "algumas casas de primeira habitação e muitos anexos e barracões agrícolas".

Também alguns pavilhões "antigos, não ocupados" do hospital Rovisco Pais foram danificados, acrescentou.

A autarca enalteceu o trabalho dos bombeiros voluntários de Cantanhede "que atuaram praticamente sozinhos" no combate às chamas (com o apoio de pelo menos uma viatura dos Voluntários da Figueira da Foz), mas também de várias pessoas "com cisternas, tratores e enxadas que arregaçaram as mangas e ajudaram a defender as casas", frisou.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 42 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça-feira e quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Tópicos:

Caetano, Cantanhede, Câa, Pedrógão, Voluntários Figueira,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.