Fogo em Oleiros em fase de resolução - Proteção Civil

| País

O incêndio que começou pelas 15:51 de segunda-feira perto de Cavalinho, na freguesia de Mosteiro, Oleiros, está em fase de resolução, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Na página digital da ANPC, o fogo estava, pelas 04:30, "em resolução", isto é, "sem perigo de propagação para além do perímetro já atingido", mantendo-se no local 296 operacionais, apoiados por 98 meios terrestres.

As chamas fizeram com que, por precaução, tenham sido evacuadas algumas habitações, designadamente das localidades de Roqueirinho e Mosteiro, das quais foram retiradas cerca de duas dezenas de pessoas para a residencial de estudantes da vila de Oleiros, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Oleiros, Fernando Marques.

Pelas 00:00 de hoje, permaneciam "apenas três pessoas na residencial", tendo as restantes sido acolhidas por familiares, adiantou o autarca.

O combate ao fogo mobilizava, ao final da tarde de segunda-feira, duas centenas de operacionais (mais de 300 ao início da noite), 65 viaturas e quatro meios aéreos.

De acordo com a página da ANPC, continuam ativos, pelas 05:00, quatro incêndios rurais, em Alijó (Vila Real), em Mangualde (Viseu), em Rochoso, concelho da Guarda, e em Freixo de Numão, concelho de Vila Nova de Foz Côa (Guarda).

Tópicos:

Câa, Foz Côa, Freixo, Mangualde Viseu, Proteção, Roqueirinho,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.