Forças Armadas têm célula de crise desde início de março

por Lusa

Lisboa, 01 abr 2020 (Lusa) -- O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) tem a funcionar, desde o início de março, uma Célula Permanente de Crise (CPC) para "coordenar as ações de apoio" dos militares "no combate da pandemia covid-19, foi hoje anunciado.

Este gabinete de crise funciona no Comando Conjunto para as Operações Militares (CCOM) e "é responsável pela gestão de dados dos militares relativamente à infeção" pelo novo coronavírus, segundo um comunicado do EMGFA.

O comunicado esclarece também que foi acionado o Centro Logístico Conjunto e o Centro de Controlo de Movimentos para "maximizar a eficácia" da resposta das Forças Armadas "aos pedidos de apoio chegados através da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC)".

É também a esta célula de crise que caberá, "através do oficial de apoio à Força de Reação Imediata (FRI)", "receber e orientar eventuais pedidos de reforço militar", se for pedido pelas autoridades.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

O país encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de quinta-feira.

Tópicos
pub