Furacão Ophelia sobe para categoria 2 a caminho dos Açores

| País

|

O Furacão Ophelia subiu nas últimas horas para categoria 2. Com ventos na ordem dos 150 quilómetros por hora deverá atingir as ilhas de Santa Maria e São Miguel a partir da tarde de sábado.

O furacão Ophelia estava a 1.150 quilómetros a sudoeste dos Açores às 22 horas (hora de Lisboa) e apesar de estar estacionário deverá voltar nas próximas horas a deslocar-se para este/nordeste em direção às ilhas do grupo oriental do arquipélago dos Açores.
 
O furação passou para categoria 2 – numa escala que vai até 5 – com ventos a soprar na ordem dos 150 quilómetros por hora, rajadas que podem chegar aos 185 Km/h e ondulação que pode atingir os seis metros de altura.

Os efeitos do furacão Ophelia deverão começar a senitir-se nos Açores a partir das 12 horas de sábado. Foto: NHC

A sua passagem junto às ilhas de Santa Maria e São Miguel deverá provocar “precipitação forte, ventos com força de tempestade tropical e agitação marítima forte”, segundo informou a delegação dos Açores do Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Para as ilhas de Santa Maria e São Miguel foi emitido um aviso laranja para vento e um aviso amarelo para agitação marítima entre as 12 horas de sábado e as 06 horas de domingo. 


O presidente da Proteção Civil dos Açores, Carlos Neves, disse à RTP que está a ser equacionada a deslocação de reforços de São Miguel para Santa Maria.

A Autoridade Marítima recomendou um reforço das amarrações das embarcações atracadas e a colocação em terra dos barcos mais pequenos, sobretudo nas ilhas de São Miguel e Santa Maria.

Para os grupos central (Faial, Terceira, São Jorge, Pico e Graciosa) e ocidental (Flores e Corvo), o IPMA informa que "uma superfície frontal com atividade moderada a forte irá atingir" estas sete ilhas a partir da próxima madrugada, provocando precipitação forte que poderá ser acompanhada de trovoada.

Tópicos:

Categoria, Furacão, Ilhas, Ophelia, Tempestade, Vento, Açores,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado. Observado de cima, o solo assemelha-se a uma peça de arte cheia de cores e texturas.