Furacão Ophelia sobe para categoria 2 a caminho dos Açores

| País

|

O Furacão Ophelia subiu nas últimas horas para categoria 2. Com ventos na ordem dos 150 quilómetros por hora deverá atingir as ilhas de Santa Maria e São Miguel a partir da tarde de sábado.

O furacão Ophelia estava a 1.150 quilómetros a sudoeste dos Açores às 22 horas (hora de Lisboa) e apesar de estar estacionário deverá voltar nas próximas horas a deslocar-se para este/nordeste em direção às ilhas do grupo oriental do arquipélago dos Açores.
 
O furação passou para categoria 2 – numa escala que vai até 5 – com ventos a soprar na ordem dos 150 quilómetros por hora, rajadas que podem chegar aos 185 Km/h e ondulação que pode atingir os seis metros de altura.

Os efeitos do furacão Ophelia deverão começar a senitir-se nos Açores a partir das 12 horas de sábado. Foto: NHC

A sua passagem junto às ilhas de Santa Maria e São Miguel deverá provocar “precipitação forte, ventos com força de tempestade tropical e agitação marítima forte”, segundo informou a delegação dos Açores do Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Para as ilhas de Santa Maria e São Miguel foi emitido um aviso laranja para vento e um aviso amarelo para agitação marítima entre as 12 horas de sábado e as 06 horas de domingo. 


O presidente da Proteção Civil dos Açores, Carlos Neves, disse à RTP que está a ser equacionada a deslocação de reforços de São Miguel para Santa Maria.

A Autoridade Marítima recomendou um reforço das amarrações das embarcações atracadas e a colocação em terra dos barcos mais pequenos, sobretudo nas ilhas de São Miguel e Santa Maria.

Para os grupos central (Faial, Terceira, São Jorge, Pico e Graciosa) e ocidental (Flores e Corvo), o IPMA informa que "uma superfície frontal com atividade moderada a forte irá atingir" estas sete ilhas a partir da próxima madrugada, provocando precipitação forte que poderá ser acompanhada de trovoada.

Tópicos:

Categoria, Furacão, Ilhas, Ophelia, Tempestade, Vento, Açores,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.