Governo cria empresa pública para gestão da floresta

| País

|

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, anunciou a criação de uma empresa pública para a gestão da floresta, com cabimento no Orçamento do Estado para 2018.

Na discussão na especialidade da proposta do OE2018, o ministro recordou as recentes aprovações das entidades de gestão florestal e dos incentivos para a gestão florestal e anunciou que se "pretende ir mais longe", pelo que o Governo "decidiu e, terá expressão no Orçamento, uma empresa pública para a gestão da floresta".

"Queremos que o Estado avance como exemplo e possa ter uma atitude mais proativa e que poderá demonstrar à sociedade civil de como é possível gerir com os novos instrumentos", justificou.


A associação ambientalista Quercus já veio considerar que a criação de uma empresa pública para gerir a floresta pode ser uma boa aposta que possa vir a gerar investimento na floresta.

João Branco, presidente da associação,espera que com esta mudança, o Estado faça a limpeza dos espaços agrícolas no interior das áreas florestais. Um trabalho que os privados não têm possibilidades de assegurar, já que têm fins lucrativos.

O ministro precisou ainda que cerca de dez mil agricultores, "até há dois dias", manifestaram, nas direções regionais, os prejuízos provocados pelos incêndios de outubro, ou seja, "antes mesmo de abrirem as candidaturas" para apoios.

Até ao fim do mês decorrem as candidaturas para os pequenos agricultores e até 15 de dezembro para os agricultores com prejuízos acima de 1.053.

Os prejuízos entre os 1.054 euros e os cinco mil euros serão suportados a 100%, enquanto entre os 5001 e 50 mil euros, a compensação será 85%, recordou Capoulas Santos, referindo até aos 400 mil será a 50%.

As medidas serão aplicadas retroativamente aos incêndios de julho, agosto e de setembro, notou ainda o governante, que sublinhou que não haverá nenhuma exigência de seguro.

Aos deputados, o ministro referiu ainda os apoios à alimentação animal e que, no âmbito do concurso de reestruturação da vinha, num montante 25 milhões de euros, serão cativados cinco milhões de euros para a recuperação das vinhas dos 41 municípios atingidos pelos incêndios.

Na quarta-feira será ainda iniciado o fornecimento de 70 toneladas de açúcar, através das associações de apicultores, para a alimentação de abelhas durante o inverno.

c/Lusa

Tópicos:

Assembleia da República, floresta, Ministro da Agricultura,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.