Greve às aulas para combater alterações climáticas

| País
Greve às aulas para combater alterações climáticas

Foto: Facebook

Milhares de jovens de mais de uma centena de países fazem esta sexta-feira greve às aulas para protestar contra a falta de ação dos governos no combate às alterações climáticas.

No protesto, o segundo deste ano, os jovens pretendem alertar os vários países para a necessidade de tomarem medidas concretas para limitar, por exemplo, a emissão de gases com efeito de estufa.

O movimento dos jovens tem origem numa estudante sueca, Greta Thunberg, que no verão passado começou sozinha uma greve às aulas, manifestando-se em frente ao parlamento sueco de onde esperava ver tomadas medidas no sentido de revolver a crise climática.

Em Portugal, a maioria dos protestos tem como destino as autarquias locais, com algumas exceções, como a marcha em Lisboa, que começa no Marquês de Pombal e termina na Assembleia da República.

Alice Vale, aluna do 12.º ano do Liceu Camões, uma das organizadoras. Argumenta que esta não é uma greve só porque sim. É um protesto para chamar a atenção dos governos para a questão dos clima, porque os governos têm de fazer mais.

A informação mais vista

+ Em Foco

O maior campo de refugiados na Europa fica na ilha grega de Lesbos. O campo de Moria alberga quase oito mil pessoas, três vezes mais do que a capacidade instalada. Reportagem RTP.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.