Greve. Militares e polícias conduzem camiões

| País

Militares e polícias já conduzem camiões
|

Uma portaria publicada em Diário da República esclarece que a requisição civil já em curso na greve dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias estabelece que os militares das Forças Armadas e outros agentes da autoridade podem substituir "parcial ou totalmente" os profissionais do sector. Estão incluídas nesses serviços as operações de carga e descarga de veículos-cisterna de combustíveis líquidos, GPL e gás natural.

Esta requisição civil que está a decorrer de forma gradual e faseada visa assegurar o abastecimento da rede de emergência, aeroportos, postos servidos pela refinaria de Sines e unidades autónomas de gás natural.

Na última noite o ministro Vieira da Silva deixou o aviso: as consequências de não se cumprir a requisição civil são diferentes do não cumprimento dos serviços mínimos.



O aviso por parte do ministro Vieira da silva na RTP sobre a requisição civil que mereceu críticas por parte do sindicato dos motoristas.

O ministro lembrou que este é um método que já existe há vários anos e que já foi usado mais do que uma vez. Neste momento não é a altura para aplicar qualquer alteração a esta lei.



Vieira da Silva explicou também que o Governo só quer garantir os interesses dos portugueses e explicou que esta greve está a ter consequências gravíssimas para todos.



O porta-voz dos motoristas Pedro Pardal Henriques assegurou que durante a requisição civil os profissionais não farão mais de oito horas de trabalho por dia.



O Algarve acabou por ser no dia de segunda-feira a região mais afetada mas na última noite 14 camiões, conduzidos por militares, saíram de Sines para a região algarvia para garantir o abastecimento.

Os motoristas cumprem esta terça-feira o segundo dia de uma greve marcada por tempo indeterminado e com o objetivo de reivindicar junto da associação patronal ANTRAM o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), tendo-se também associado à paralisação o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.