Idanha-a-Nova aplicou um milhão de euros em apoios sociais nos últimos quatro anos

| País

A Câmara de Idanha-a-Nova canalizou entre 2013 e 2017 mais de um milhão de euros para apoios sociais, que vão desde a habitação para famílias carenciadas e jovens, ao apoio nos serviços de saúde, foi hoje anunciado.

"Quarenta famílias já beneficiaram de apoio na habitação e os apoios na saúde já chegaram a 189 pessoas. Quanto ao Banco Social de Roupas e Bens, este espaço atingiu 487 beneficiários nos últimos quatro anos, dos quais perto de 30% são crianças até aos 12 anos", refere em comunicado o presidente deste município do distrito de Castelo Branco.

Armindo Jacinto explica que o valor do investimento realizado em apoios sociais entre 2013 e 2017 atinge os 540 mil euros, aos quais acrescem mais 570 mil euros de apoios às instituições de solidariedade social do concelho.

"O objetivo é melhorar a qualidade de vida no concelho, em particular das famílias e dos cidadãos seniores", sublinha.

Os apoios são variados e vão desde a habitação para famílias carenciadas e jovens, comparticipação das despesas com lares, centros de dia e apoio domiciliário, serviços de saúde de proximidade, transporte gratuito para estudantes e terceira idade dentro do concelho.

Um dos principais instrumentos de apoio social é o Cartão Raiano +65, dirigido a todos os munícipes reformados ou portadores de deficiência.

"Hoje existem 4.628 utentes deste cartão que disponibiliza uma série de benefícios, como transportes gratuitos no concelho, desconto nas tarifas da água e acesso gratuito a atividades de animação, piscinas e outros espaços municipais", concluiu.

Tópicos:

Câa, Roupas,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.