Inspeção da Administração Interna abre inquérito a morte de mulher em perseguição policial

| País

|

A Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para apurar em que circunstância ocorreu a morte de uma mulher durante uma perseguição policial realizada esta quarta-feira em Lisboa, anunciou o Ministério da Administração Interna (MAI).

A mulher morreu esta madrugada em Lisboa, depois de ter sido baleada pela polícia, já que seguia num carro que não parou numa operação policial.

Os agentes da PSP tinham montado a operação para deter os assaltantes de um multibanco. O alerta foi dado às três da manhã, quando o multibanco da Caixa Geral de Depósitos em Almada foi assaltado.

Sabe-se agora que a mulher que morreu não tinha nada a ver com o assalto.

"A Inspeção Geral da Administração Interna determinou a abertura de um inquérito para apuramento dos factos relacionados com a ocorrência que teve lugar na madrugada de hoje, da qual resultou a morte de uma cidadã na sequência de uma intervenção policial", refere o MAI, em comunicado.

Os sindicatos defendem que estas situações podiam ser evitadas com lagartas nas operações stop, para imobilizar os veículos em fuga, e também com cursos de formação de tiro dinâmico para alvos em movimento.

"Existe só o tiro estático, que para nós é manifestamente insuficiente para quem anda na rua e, muitas das vezes, tem que utilizar a arma de fogo para tentar imobilizar um assaltante", disse à RTP Peixoto Rodrigues, presidente do Sindicato Unificado de Polícia.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.