Leitura do acórdão do julgamento de Pedro Dias a 8 de março

| País

|

Quinta-feira, o Ministério Público pediu a pena máxima de 25 anos de prisão para o o arguido, acusado de três homicídios. O Tribunal da Guarda marcou esta sexta-feira a leitura do acórdão para 8 de março às 14h30.

Pedro Dias confessou em tribunal que é o autor de apenas um dos três homicídios que ocorreram em Aguiar da Beira, em outubro de 2016. O arguido garante que foi agredido pelo militar da GNR, Carlos Caetano, e que disparou sobre os militares em legítima defesa.

Pedro Dias acusa ainda outro militar, António Ferreira, de ser o autor dos disparos que levaram à morte de um casal.

A Defesa diz por seu lado que não há provas de que Pedro Dias tenha morto o casal de Aguiar da Beira. Mónica Quintela, advogada de Pedro Dias, diz que por isso irá pedir a absolvição no caso do casal, por considerar que não foi provado o envolvimento de Pedro Dias nas mortes.

Mónica Quintela ressalvou que o acusado "terá de ser condenado" por aqueles que confessou.

À saída do Tribunal, esta tarde, a advogada anunciou que pretende contudo que sejam mudadas as tipificações de alguns dos crimes de que o seu cliente é acusado: que o homicídio do guarda Cateno passe a homicídio privilegiado e que no caso do guarda Ferreira a acusação passe a tentativa de homicídio simples, em lugar de homicídio não qualificado.

"Estamos numa fase de recolhimento", após o fim do julgamento e o Tribunal precisa de "serenidade" afirmou ainda a advogada, para explicar a relutância em fazer mais declarações aos jornalistas.


Já o advogado dos familiares do casal Pinto considera que a GNR estará no seu direito em apresentar uma queixa por difamação e injúria contra Pedro Dias por este tentar imputar ao militar a morte do casal.

O advogado, João Paulo Matias, afirmou não ter dúvidas de que as mortes de Liliane e de Luís Pinto aconteceram depois de Pedro Dias ter baleado os militares da GNR Carlos Caetano (que morreu) e António Ferreira (que sobreviveu).

Na sua opinião, este é um dos casos em que o ordenamento jurídico português "devia repensar a pena máxima de prisão". Nesse âmbito, o advogado disse esperar que "a justiça divina também faça a sua parte do trabalho, além da justiça terrena".

Os crimes remontam a 11 de outubro de 2016.
A versão de Pedro Dias
O julgamento do homicida de Aguiar da Beira foi retomado quinta-feira no Tribunal da Guarda. Na fase final do julgamento, Pedro Dias quebrou o silêncio e admitiu, por exemplo, ter matado o militar da GNR Carlos Caetano, de 29 anos. Garantiu no entanto que só disparou sobre os militares da Guarda porque agiu em legítima defesa.

Nestas declarações, Pedro Dias acusou ainda o militar da GNR António Ferreira de ter atingido a tiro Luís e Liliane Pinto, o casal que viria a morrer.

Perante vários familiares das três vítimas que é acusado de ter matado, Pedro Dias confessou que as suas declarações poderiam ser confusas e que poderia perder o racioncínio devido à situação de isolamento na prisão.

Explicou que na noite dos acontecimentos, parou a carrinha que conduzia junto a um hotel em construção nas Caldas da Cavaca por estar cansado e com sono, evitando fazer uma paragem junto à povoação.

Na versão do acusado, adormeceu e foi acordado algumas horas depois por dois militares da GNR, que lhe apontaram a lanterna "à cara". Os militares consideraram suspeito que Pedro Dias se encontrasse parado num sítio ermo.

Pedro Dias conta que os militares o pretendiam algemar e que foi agredido com pontapés, murros e joelhadas por várias vezes. Em resposta, puxou da arma que tinha dentro da carrinha e disparou contra o militar António Ferreira.

“A confusão era muita na minha cabeça, não pensei ter acertado onde acertei. O objetivo não era matar, era assustar. Eu queria era que parassem as agressões”, justificou perante o juiz.

O acusado diz ainda que foi o militar António Ferreira quem atingiu os dois civis na estrada entre Aguiar da Beira e o Sátão. Admitu ter algemado posteriormente o militar da GNR, que algemou numa árvore. O militar Ferreira atirou-se para cima do acusado e foi aí que Pedro Dias diz ter disparado.

C/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.