Mais de 2.200 operacionais no combate a nove incêndios em sete distritos

| País

|

Nove incêndios em sete distritos estavam hoje, pelas 08:10, ativos e considerados como as ocorrências mais importantes pelas autoridades, estando a mobilizar mais de 2.200 operacionais, segundo a Proteção Civil.

De acordo com o `site` da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), destes nove incêndios, seis encontram-se em curso e localizam-se nos concelhos de Castelo Branco, Coimbra, Tomar, Ferreira do Zêzere, Alvaiázere e Mealhada.

Os restantes fogos, considerados como "em resolução", situam-se nos concelhos de Cinfães, Cantanhede e Abrantes.

Em Coimbra, o fogo que teve início na tarde de sábado em Carvalhosas, junto à praia fluvial do Mondego, em Torres do Mondego, era combatido por 274 bombeiros, apoiados por 84 meios terrestres.

Este incêndio, que mantinha várias frentes pelas 05:15, destruiu pelo menos uma casa de primeira habitação, provocando dois desalojados na aldeia da Lata, no concelho de Miranda do Corvo, disse o presidente da Câmara, Miguel Baptista, à agência Lusa, na noite de sábado.

Devido a este fogo, a estrada nacional (EN) 17, vulgarmente conhecida por Estrada da Beira, continua cortada ao trânsito entre Ceira e Ponte Velha.

Em Cantanhede, também no distrito de Coimbra, o fogo, com uma frente, era combatido por 290 homens, apoiados por 80 viaturas, pelas 05:15.

As câmaras de Coimbra e de Cantanhede mantêm ativados os respetivos planos municipais de Emergência de Proteção Civil acionados na sexta-feira.

No distrito de Santarém, 296 operacionais e 92 viaturas combatiam o incêndio -- que reativou na tarde de sábado depois de ter sido dado como dominado -- em Ferreira do Zêzere, onde foi ativado, ao início da madrugada, o plano municipal de emergência do concelho.

Em Tomar, no mesmo distrito, 246 operacionais, apoiados por 81 veículos, estavam no terreno devido ao incêndio, ativo desde a tarde de sábado, que tinha pelas 05:15 várias frentes.

Na Mealhada, distrito de Aveiro, o fogo, com duas frentes, que lavra desde quinta-feira, mobilizava 270 homens e 73 meios terrestres.

Em Cinfães, distrito de Viseu, o incêndio, que tinha sido dado como dominado ao início da madrugada, reacendeu-se, mobilizando, pelas 05:15, um total de 38 operacionais e nove viaturas no combate a uma frente.

Um outro incêndio deflagrou ao início da madrugada de hoje na localidade de Louriçal do Campo, em Castelo Branco, onde 92 operacionais, apoiados por 28 meios terrestres, combatiam três frentes.

Já o fogo em Abrantes, no distrito de Santarém, que deflagrou na quarta-feira, mantém-se como dominado. Apesar de estar em fase de resolução (sem "perigo de propagação para além do perímetro já atingido"), continua a mobilizar o maior número de meios: estavam no terreno 412 operacionais e 137 viaturas, de acordo com os dados da Proteção Civil atualizados às 05:15.

Cinco bombeiros sofreram queimaduras ligeiras quando combatiam este fogo que atingiu duas aldeias do concelho e obrigou a retirar cerca de 50 pessoas das suas casas, segundo disse à Lusa a presidente da Câmara, Maria do Céu Albuquerque.

O incêndio em Montemor-o-Velho, distrito de Coimbra, também dado como dominado ao início da madrugada, entrou, esta madrugada, já em fase de rescaldo.

 

Tópicos:

Câa, Estrada, Leiria, Montemor, Proteção, Velha,

A informação mais vista

+ Em Foco

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    João Guerreiro, presidente da comissão que elaborou o relatório sobre Pedrógão Grande, enumera responsabilidades "momentâneas" e "estruturais".

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.