Mais de um milhar de polícias desfila por Lisboa em protesto contra o Governo

| País

Mais de um milhar de polícias estão hoje à tarde a manifestar-se em Lisboa para mostrar a sua indignação, considerando que estão a ser ignorados pelo Governo, num protesto organizado por 11 sindicatos da PSP.

A manifestação, que saiu cerca das 18:30 da Direção Nacional da PSP, na Penha de França, vai seguir a pé para o Ministério da Administração Interna (MAI), na Praça do Comércio.

Os polícias apresentam-se no protesto à civil e não fardados, como inicialmente tinham anunciado, depois de o Tribunal Administrativo de Lisboa ter decidido que o uso da farda em manifestações era ilegal.

O presidente do Sindicato Nacional de Polícia (Sinapol), Armando Ferreira, disse à agência Lusa que a proibição do uso da farda vai fazer do protesto, "em vez de uma manifestação silenciosa, uma manifestação bem ruidosa e cheia de mensagens de protesto".

Armando Ferreira adiantou que os polícias estão "a ser ignorados pelo Governo" e "não têm ninguém que os defenda".

Também o presidente do Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP), Mário Andrade, afirmou que a proibição do uso da farda "não tira força à manifestação" e "dá mais sentido de revolta e de união".

O presidente do Sindicato Nacional da Carreira dos Chefes da PSP, Carlos Meireles, considerou que a proibição do uso da farda "mobilizou ainda mais os polícias".

Carlos Meireles adiantou que os polícias "não deram pela existência do ministro da Administração Interna" e que o diretor nacional da PSP "tem que olhar pelos seus homens".

A manifestação, sem bandeiras, é encabeçada por duas faixas empunhadas por polícias, numa das quais se questiona: "Polícias, quem nos defende...?".

Na outra faixa estão escritas as três principais reivindicações dos polícias, que são a recuperação dos 12 anos de congelamento das carreiras, entre 2005 e 2017, um regime de aposentação e pré-aposentação adequado à profissão policial e o subsídio de risco.

A informação mais vista

+ Em Foco

A ONU alerta para um ano de grande instabilidade e de necessidades maiores por parte da população civil.

Os dias estão mais quentes e não é por causa do advento da primavera. A razão está identificada - as alterações climáticas fazem-se sentir em todo o planeta e as consequências espelham-se em fenómenos extremos.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.