Marcelo agradece a todas as instituições, "inexcedíveis" no socorro

| País

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, agradeceu hoje a todas as "instituições intervenientes" que foram "inexcedíveis" na prestação do socorro após a explosão e incêndio em Tondela, no sábado, que provocaram oito mortos e, pelo menos 38 feridos.

Logo que chegou a Vila Nova da Rainha, no concelho de Tondela, distrito de Viseu, Marcelo Rebelo de Sousa - que chegou ao local às 12:15 acompanhado pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita - falou com o presidente da Câmara, José António Jesus, e com o comandante distrital de operações e socorro, a quem agradeceu.

"Muito obrigado. Foi realmente um trabalho muito concentrado, muito difícil e foi excecional. Todas as instituições intervenientes foram inexcedíveis, inultrapassáveis", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Após visitar a sede da associação afetada pelas chamas, o chefe de Estado cumpriu um pequeno percurso na povoação, acompanhado do presidente da associação, confortando-o e deixando palavras de alento.

Momentos antes, em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa quis "reconhecer e louvar a forma abnegada e competente" da atuação das várias instituições envolvidas no socorro às vítimas.

"Em tão curto espaço de tempo, em situação difícil, foram excecionais todas, da saúde à proteção civil, passando pelo contributo da Força Aérea, pelas estruturas de socorro mais próximo ou mais distante, de transporte, de evacuação, tudo funcionou", argumentou o Presidente da República.

"Devo reconhecer a rapidez e a disponibilidade com que desde os deputados, aos autarcas, aqui estiveram, num momento muito difícil, logo aqui à noite, mas todos estiveram à altura das circunstâncias, numa situação daquelas que nós desejaríamos não ter ocorrido e que é muito dramática para quem aqui vive, porque são muitos dos seus familiares ou amigos atingidos, ou de localidades vizinhas e próximas", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

 

JLS/AMF/SSS // JPF

Tópicos:

Viseu,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.